Barack Obama

Obama diz que o fim da lei dos “Sonhadores” é “cruel” e “um tiro no pé”

O ex-Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, manifestou-se esta terça-feira contra a intenção do Presidente Trump em acabar com uma lei que protege da deportação milhares de jovens

Barack Obama aprovou em 2012 uma lei que protege os filhos dos imigrantes ilegais da deportação

Getty Images

Barack Obama, presidente dos Estados Unidos antes de Donald Trump, apelidou a intenção de Trump em rever a lei que protege da deportação os jovens que tenham chegado aos Estados Unidos ilegalmente como “cruel” e como “um tiro no pé” para o país, que, na sua opinião, estará a desaproveitar o talento daqueles que querem investir e desenvolver o país.

Num comunicado enviado à comunicação social, Obama diz que a imigração “pode ser um assunto controverso” mas lembrou que a situação das pessoas protegidas pelo chamado DACA (Deferred Action for Childhood Arrivals) protege crianças que “estudam nas nossas escolas, jovens adultos que estão agora a começar carreiras e patriotas que juraram lealdade à nossa bandeira”. Muitos, como escreve o antigo Presidente, “nem sabiam que eram ilegais até terem tentado arranjar um emprego ou tirar a carta”.

O procurador-geral norte-americano Jeff Sessions anunciou, esta terça-feira, que considera o DACA “inconstitucional”. O DACA é um pacote legislativo que protege legalmente os jovens e adultos que chegaram aos Estados Unidos em crianças, filhos de imigrantes não documentados. São cerca de 800 mil as pessoas abrangidas por este programa, em que a grande maioria vive, trabalha e desconta nos Estados Unidos desde sempre. Sessions acrescentou que estas pessoas ocupam lugares de trabalho que “são dos americanos”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: afranca@observador.pt
Alemanha

Os custos da crise alemã

Diana Soller

As questões de desentendimento dos partidos alemães predispostos a formar uma coligação são assuntos que não dizem respeito à construção (ou reconstrução ou desconstrução) europeia.

Conflito na Síria

Será que a Síria terá futuro?

José Milhazes

A propaganda russa apresenta Putin como o principal mentor e motor do processo de solução da crise na Síria. O Kremlin envolveu-se num jogo muito complicado e arriscado. E que papel terá a UE?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site