Crianças

Regresso às aulas em estilo, da cabeça aos pés

A lista de material a comprar no regresso à escola não é propriamente pequena, é certo, mas esta é uma das melhores alturas para renovar o guarda-roupa dos mais pequenos. Façamo-lo com estilo.

Entre os livros, os cadernos, os lápis, o estojo, as canetas e a régua, é possível que os pais mais extremosos deem por si a rezar por uma bata que consiga diminuir a longa lista — e a conta — do material escolar. No entanto, é inegável que a altura do regresso às aulas é uma das melhores do ano para renovar o guarda-roupa dos mais pequenos, não só porque é preciso assegurar que algum casaco lhes serve quando chegar o inverno, mas também para garantir que entram na sala capazes de atacar os primeiros sumários com toda a confiança.

E depois há as novas coleções de criança, ora a piscar o olho às tendências de moda dos adultos, com as versões “mini me” de lojas como a Zara e a Mango, ora a pensar na correria das manhãs e em facilitar a vida dos pais, como é o caso da Zippy, que este ano apostou num conceito chamado “Big Me”, onde a ideia é os miúdos conseguirem vestir-se sozinhos, seja porque as casas dos dois primeiros botões das camisas têm um pesponto a condizer, permitindo-lhes saber qual liga com qual, seja porque os ténis têm velcro (em vez de atacadores) e duas palmilhas que formam um desenho quando colocadas no pé certo.

Fomos espreitar as coleções de outono de marcas como a Benetton, Lacoste, Tiny Cottons e Wolf & Rita, e reunimos mais de 40 propostas para vestir no primeiro dia — e nos muitos que se seguem.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt
Governo

A plateia dos patetas

Maria João Avillez

Um misto de leveza, manha, irresponsabilidade. Uma manipulação a partir do palco do poder para a plateia de patetas onde quem não é da geringonça é suposto estar sentado.

Agências de Rating

De BB+ para BBB-

Luís Aguiar-Conraria

A procissão ainda vai no adro. Para a Fitch e a Moody’s a dívida portuguesa anda é investimento especulativo. E, enquanto estivermos muito endividados, estaremos sujeitos aos maus humores dos mercados

Fernando Medina

Síndrome de Lisboa

Maria João Marques

O carro é um meio de transporte legítimo, os proprietários pagam impostos, pelo que têm direito a usá-lo quando assim lhes for mais confortável e conveniente, sem serem demonizados pelo edil lisboeta.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site