Estados Unidos da América

Portugal está a acompanhar decisão dos EUA sobre jovens indocumentados

As autoridades portuguesas estão a acompanhar pelos canais diplomáticos e a avaliar as implicações da decisão dos Estados Unidos de acabar com o programa que protege 800 mil jovens indocumentados.

O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, afirmou que Portugal está a "acompanhar a situação"

André Kosters/LUSA

As autoridades portuguesas estão a acompanhar pelos canais diplomáticos e a avaliar as implicações da decisão dos Estados Unidos de acabar com o programa que protege 800 mil jovens indocumentados que chegaram ao país quando eram crianças.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, afirmou que Portugal está a “acompanhar a situação” e que o embaixador português está a “procurar perceber quais são as implicações que esta lei terá e os contornos do anúncio que foi feito”.

O governante sublinhou, quanto a esta matéria, que este tipo de decisão abrange várias comunidades estrangeiras e que as alterações às leis de imigração estão a acontecer por vários locais, não só nos Estados Unidos, dando como exemplo a França.

José Luís Carneiro lembrou ainda que o problema dos cidadãos indocumentados — parcialmente, uma vez que muitas vezes têm documentação da segurança social e finanças, faltando apenas o relativo aos serviços de imigração — também ocorre noutros países como a Suíça e o Reino Unido. “É um problema complexo e global, não se pode apenas focalizar nos Estados Unidos”, acrescentou.

A Casa Branca anunciou na terça-feira que vai terminar de forma gradual com o programa que protege 800 mil jovens indocumentados que chegaram aos EUA quando eram crianças, dando um prazo de seis meses para o Congresso encontrar uma solução legal para as pessoas protegidas pelo programa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alemanha

Os custos da crise alemã

Diana Soller

As questões de desentendimento dos partidos alemães predispostos a formar uma coligação são assuntos que não dizem respeito à construção (ou reconstrução ou desconstrução) europeia.

Conflito na Síria

Será que a Síria terá futuro?

José Milhazes

A propaganda russa apresenta Putin como o principal mentor e motor do processo de solução da crise na Síria. O Kremlin envolveu-se num jogo muito complicado e arriscado. E que papel terá a UE?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site