Presidente Trump

Republicanos “chocados” com acordo de Trump com democratas

Presidente colocou-se ao lado dos democratas para aumentar o teto da dívida, adiando o problema até ao final do ano e dando algum "oxigénio" orçamental para apoiar as vítimas do furacão Harvey.

Getty Images

Donald Trump, autor de A arte do negócio, apresenta-se como um implacável negociador, mas aceitou sem resistência visível uma proposta do partido democrata para aumentar o teto da dívida — com a justificação de se ajudar as vítimas do furacão, o problema geral do limite máximo da dívida foi adiado para o final do ano. Tendo em conta que a questão do teto da dívida está a causar um debate intenso no Congresso, o rápido acordo com os democratas foi mal recebido pelos congressistas republicanos e alguns dizem-se “chocados” e “visivelmente incomodados” com Trump.

A decisão de Trump não irá ajudar a melhorar a relação entre Trump e destacados republicanos como Mitch McConnell, líder da maioria republicana no Senado, e Paul Ryan, que tem o mesmo cargo mas na Câmara dos Representantes. É a CNN que escreve que há congressistas “chocados”, ao que o The Washington Post acrescenta que o facto de Trump se ter alinhado com os democratas está a criar um “caos” nos planos republicanos para a disputa orçamental.

Breitbart: O “pântano” está a começar a chegar a Trump

Trump referiu ao plano democrata como o plano de “Chuck” e “Nancy” — referências a Charles Schumer e Nancy Pelosi, precisamente os democratas que ocupam os cargos equivalentes a McConnell e Ryan. O uso de diminutivos e primeiros nomes deu a entender uma intimidade entre Trump e os democratas que criou desconforto nas bancadas republicanas.

Ao aceitar este acordo, Trump foi mesmo contra o próprio secretário do Tesouro, que interrompeu enquanto Mnuchin falava sobre a importância de se chegar a um acordo de longo prazo para as questões orçamentais dos EUA. Segundo o The Washington Post, Trump não deixou Mnuchin continuar a falar, durante uma reunião sobre o tema, e ficou claro que Trump queria chegar a um acordo.

EUA aumentam teto da dívida para apoiar vítimas dos furacões

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Governo

A plateia dos patetas

Maria João Avillez

Um misto de leveza, manha, irresponsabilidade. Uma manipulação a partir do palco do poder para a plateia de patetas onde quem não é da geringonça é suposto estar sentado.

Agências de Rating

De BB+ para BBB-

Luís Aguiar-Conraria

A procissão ainda vai no adro. Para a Fitch e a Moody’s a dívida portuguesa anda é investimento especulativo. E, enquanto estivermos muito endividados, estaremos sujeitos aos maus humores dos mercados

Fernando Medina

Síndrome de Lisboa

Maria João Marques

O carro é um meio de transporte legítimo, os proprietários pagam impostos, pelo que têm direito a usá-lo quando assim lhes for mais confortável e conveniente, sem serem demonizados pelo edil lisboeta.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site