Fogo de Pedrógão Grande

Associação de Vítimas de Pedrógão Grande pondera ação coletiva contra o Estado

A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande pondera uma ação coletiva contra o Estado e pretende constituir-se como assistente no inquérito que investiga as causas e os culpados do fogo.

PAULO CUNHA/LUSA

A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG) pondera uma ação coletiva contra o Estado e pretende constituir-se como assistente no inquérito que investiga as causas e os culpados do fogo que começou naquele concelho em junho.

Em nota de imprensa enviada à agência Lusa e que anuncia a celebração da escritura da constituição da associação, a AVIPG diz que, “nas ações mais imediatas”, “pretende constituir-se como assistente no inquérito que investiga as causas e culpados do grande incêndio que assolou os sete concelhos do Pinhal Interior, causando 64 mortos e mais de 200 feridos e que pondera uma ação coletiva contra o Estado. E não vai parar por aqui”.

Na estratégia da Associação “estão ações que passam pela União Europeia e pelo Tribunal dos Direitos do Homem, por um anteprojeto de lei para vítimas em caso de catástrofes, ações sobre a resiliência das comunidades locais e um conjunto alargado de medidas de combate à inércia das instituições e formação das populações em matéria de incêndios florestais, entre outras ações”.

“Quase três meses após a tragédia de Pedrógão Grande, um conjunto de 47 familiares das vítimas, feridos e amigos das vítimas uniram-se para lutar contra o estado de coisas que conduziu à maior tragédia de vidas humanas em incêndios florestais em Portugal e na Europa”.

A associação quer reduzir ainda as burocracias e fala em “pressões e em dificuldades iniciais em obter a lista de vítimas mortais”.

“A Associação de Vítimas é uma realidade e está em plenitude de funções. Hoje, dia 08 de setembro de 2017, foi celebrado a escritura de constituição da AVIPG – Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande”, lê-se ainda na nota.

O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto uma semana depois.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

O fogo, que atingiu também Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, do distrito de Leiria, chegou ainda aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra e Penela.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Rescaldo de um verão muito quente

André Ribeiro da Cunha

Uma descoordenação inacreditável entre as entidades responsáveis, dezenas de armas desaparecidas, e tudo não foi mais do que uma série de eventos desafortunados num Verão especialmente quente. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site