PSD

Passos rejeita tensão com Marcelo e promete avaliação “na altura própria”

359

Passos Coelho rejeitou qualquer tensão entre o seu partido e o Presidente da República, salientando que os sociais-democratas farão a avaliação do mandato de Marcelo "na altura própria".

PAULO CUNHA/LUSA

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, rejeitou que haja qualquer tensão entre o seu partido e o Presidente da República, salientando que os sociais-democratas farão a avaliação do mandato de Marcelo Rebelo de Sousa “na altura própria”.

“Não tenho ideia nenhuma de o Presidente da República andar a fazer guerra aos partidos nem de nenhum partido andar a fazer guerra ao Presidente da República”, afirmou Passos Coelho, em declarações aos jornalistas no final de uma visita o Centro de Assistência Paroquial de Amora, ao lado do candidato do partido à Câmara Municipal do Seixal, Manuel Pires.

Questionado sobre as declarações de Marcelo Rebelo de Sousa, que na semana passada sugeriu que a direita “andava distraída”, Passos Coelho disse não ter ideia “de nenhuma declaração crítica do Presidente da República em relação ao PSD”.

“Volta meia volta aparecem, mais ao nível da comunicação social do que nas declarações dos próprios, notícias de que pode haver uma tensão, até já li a palavra guerra”, disse, considerando tais afirmações “absolutamente deslocadas”.

Passos Coelho salientou que o PSD não tem “estados de alma” em relação ao atual chefe de Estado: “Nós apoiámo-lo, ele foi eleito, está a exercer o seu mandato, faremos a avaliação na altura própria”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Sulistas, populistas e… que mais?

Helena Cristina Coelho

Por um lado, Rui Rio aparece de peito feito a condenar o abominável populismo, que rejeita — por outro, parece cair em tentações populistas, em que cede. O que esperar daqui?

CDS-PP

O grande Gatsby

Miguel Alvim

O depoimento de Adolfo Mesquita Nunes, apesar da manchete mediática que inegavelmente teve, constituiu, sobretudo, uma proposta de promoção pessoal.

Ministério da Saúde

A Venezuela aqui tão perto

Mário Amorim Lopes

O Ministério da Saúde, após banir as malfadadas chamuças e os vis rissóis dos hospitais aponta agora as baterias às farmácias, em particular àquelas que — imagine-se o despautério — praticam descontos

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site