Igualdade de Género

Porto Editora vai “trabalhar em conjunto” com Comissão para a Igualdade de Género

Houve uma reunião entre a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género e a Porto Editora, da qual saiu um compromisso para que as duas entidades "trabalhem em conjunto" na criação de conteúdos.

NUNO VEIGA/LUSA

A Porto Editora e a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG) vão “trabalhar em conjunto na produção de materiais dirigidos a crianças”, informaram as duas entidades num comunicado conjunto divulgado esta segunda-feira. Os “materiais” a produzir, “em estreita colaboração” vão conter “abordagens promotoras da cidadania e igualdade de género”, adiantam.

O comunicado é o resultado de uma reunião entre a Presidente da CIG, Teresa Fragoso, e o Administrador da Porto Editora, Vasco Teixeira. As duas entidades vão trabalhar “em estreita colaboração” para criar “conteúdos que fomentem uma educação promotora de igualdade de oportunidades e do desenvolvimento das diferentes capacidades e talentos de todas as crianças, contribuindo assim para a construção de uma sociedade em que mulheres e homens exercem uma cidadania plena”.

O compromisso surge na sequência da polémica que levou à “recomendação” do organismo público de retirada de mercado de livros educacionais que tinham exercícios diferentes nas edições para menino e para menina.

A Comissão concluiu, na análise aos livros retirados do mercado, que há pelo menos seis exercícios mais difíceis no bloco de atividades para rapazes e apenas três com resolução mais difícil no livro das meninas, o que poderá constituir um caso de “diferenciação por sexo do grau de dificuldade das atividades” e reforçar “a ideia de que há desigualdade nas capacidades cognitivas de meninos e meninas”. Por isso, a CIG recomendou “que se adote apenas um bloco de atividades para crianças dos 4-6 anos para que todas possam praticar todos os exercícios de igual forma”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Igualdade

Os queixinhas

Maria João Marques
145

Nem todas as críticas às mulheres políticas são sexismo. E os homens terão de aceitar que o mundo mudou e têm de competir com quem é diferente (mas mais parecido com outros eleitores).

Igualdade

Lei da Paridade. O saleiro das quotas

Sofia Afonso Ferreira
766

Ou as empresas contratam mulheres até atingir a quota dos 33,3% ou despedem homens. Não percebo como contornar de outra forma esta barbaridade legislativa e qualquer uma das soluções será prejudicial.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site