Emigrantes

Associação quer regresso de jovens emigrantes para qualificar empresas nacionais

129

A Associação Empresarial de Portugal assinou um protocolo com a agência Lusa para promoção do projeto "Regresso de uma geração", que visa o retorno de "muitos milhares" de jovens emigrantes.

Além da Lusa, a AEP já assinou protocolos com as secretarias de Estado das Comunidades Portuguesas e da Internacionalização e com o Alto Comissariado para as Migrações

Paulo Carriço/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Associação Empresarial de Portugal assinou esta terça-feira um protocolo com a agência Lusa para promoção do projeto “Regresso de uma geração”, que visa o retorno de “muitos milhares” de jovens emigrantes qualificados para criarem negócios ou integrarem empresas.

Em declarações à Lusa, o presidente da Fundação AEP, Paulo Nunes de Almeida, explicou que a iniciativa se dirige a “jovens altamente qualificados”, com licenciaturas, mestrados e doutoramentos, considerando tratar-se de um “projeto estruturante para o país tendo em conta não só os problemas demográficos […] que se vão acentuar no futuro, mas também porque hoje há falta de jovens qualificados”.

Esta falta de jovens qualificados verifica-se “não só para o início de novos negócios, inovadores e em áreas de futuro”, mas também em “empresas portuguesas que hoje também já perceberam que é através da inovação e dos recursos humanos qualificados que podem competir no mercado global”, observou Paulo Nunes de Almeida.

No âmbito do projeto “Regresso de uma geração”, a AEP irá dar apoio à criação de novos negócios e facilitar o encontro entre empresas portuguesas a necessitar destes recursos humanos e de jovens que as queiram integrar; enquanto a Lusa fica com a missão de divulgar o projeto.

A fundação vai ter em funcionamento, no final deste mês, uma plataforma ‘online’ com ofertas para ambos os casos.

Questionado pela Lusa sobre o número de jovens a abranger neste projeto, Paulo Nunes de Almeida falou em “muitos milhares que vão regressar”.

Um inquérito realizado pela Universidade Coimbra no âmbito do projeto Empreender 2020 da AEP, conhecido em maio passado, revela que 70% dos jovens portugueses qualificados e emigrados nos últimos anos querem regressar ao país, sendo a saudade dos familiares e dos amigos o principal motivo.

Questionados sobre o desejo de investir em Portugal, 53% responderam afirmativamente e 47% negativamente, sendo que a maioria que pretende ter um negócio apenas pensa nisso daqui a mais de cinco anos.

Por seu lado, 30% dos jovens qualificados emigrados dizem não pretender voltar.

Mais de metade dos 1.140 inquiridos tem até 34 anos e 85% dos entrevistados possui pelo menos licenciatura.

O protocolo assinado com a Lusa, na sua sede em Lisboa, tem o intuito de divulgar o projeto da AEP, através de notícias feitas pelos jornalistas da maior agência de notícias de língua portuguesa junto de emigrantes em todo o mundo.

A presidente do conselho de administração da Lusa, Teresa Marques, frisou que, estando a agência “espalhada pelo mundo inteiro, pode claramente contribuir”, prestando também serviço público.

Teresa Marques sublinhou que o papel da Lusa é promover um “juntar de vontades”, mas vincou que a agência “não vai fugir” do seu ADN, razão pela qual “os critérios jornalísticos [na redação das notícias] são os critérios definidos pelas áreas editoriais”.

Além da Lusa, a AEP já assinou protocolos com as secretarias de Estado das Comunidades Portuguesas e da Internacionalização e com o Alto Comissariado para as Migrações e vai ainda celebrar acordos com os municípios da Figueira da Foz, Santa Maria da Feira, Arcos de Valdevez, Anadia, Vila do Conde, Fundão e de Alenquer.

O Reino Unido é o país que acolhe mais portugueses qualificados, seguido da Alemanha, França, Holanda e Suíça, tendo o pico da emigração sido em 2012.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

A moção e a censura de um país

José Pinto

A Constituição não limita o direito à censura por parte dos cidadãos. É a essa censura – e revolta indignada - que nenhum Governo pode fugir. Face à censura coletiva, a discussão da moção nada adianta

Incêndios

O fogo e o papel de Portugal

José Barbedo

Enquanto a ocorrência de fogos faz parte do ciclo natural das florestas, a escala dos incêndios que tem ocorrido ao longo das últimas duas décadas era totalmente desconhecida no passado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site