Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo diz que ainda não falou com Costa sobre jogos no dia das autárquicas

Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que ainda não teve oportunidade de falar com o primeiro-ministro, António Costa, sobre o agendamento de jogos de futebol para o dia das eleições autárquicas.

Marcelo não se quis pronunciar sobre o furto de armas em Tancos nem sobre a greve dos enfermeiros

JOÃO RELVAS/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta terça-feira que ainda não teve oportunidade de falar com o primeiro-ministro, António Costa, sobre o agendamento de jogos de futebol para o dia das eleições autárquicas.

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional marcou quatro jogos para domingo, 1 de outubro, incluindo o ‘clássico’ Sporting-FC Porto, com início às 18h00, e o Marítimo-Benfica, às 20h15.

Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre a possível interferência destes jogos na participação eleitoral durante uma conferência de imprensa conjunta com o Presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, no Palácio de Belém, em Lisboa.

Não tive ainda oportunidade de falar sobre essa matéria com o senhor primeiro-ministro”, respondeu o chefe de Estado, sem adiantar mais sobre este assunto.

A comunicação social perguntou também ao Presidente da República se partilha a opinião do ministro da Defesa de que pode, afinal, não ter havido furto de material militar em Tancos, e interrogou-o ainda sobre a greve dos enfermeiros.

Sindicato dos Enfermeiros: “Se houver faltas injustificadas, convocamos uma nova greve”

Marcelo Rebelo de Sousa não respondeu diretamente à primeira questão, limitando-se a reiterar que espera que a investigação de factos e responsabilidades tenha “a celeridade desejável”.

Quanto à greve dos enfermeiros, também nada disse, alegando, uma vez mais, que o Presidente da República não deve fazer “qualquer tipo de apreciação sobre questões sociolaborais em curso, ademais a duas semanas das eleições locais”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Primeiro-Ministro

António Costa: o eterno número dois

João Marques de Almeida
224

Costa está a substituir o líder porque não há outro e porque Sócrates não pode liderar o PS. O PS socrático não tem hoje alternativa. Mas eles sabem que o PM não é o verdadeiro líder do seu partido.

Saúde Pública

Votar o futuro da Saúde da nação

Francisco Goiana da Silva
154

Resta-nos a nós, cidadãos, esperar que quando esta medida de Saúde Pública [taxa do sal] for votada, os deputados não se esqueçam de acautelar a vontade da sociedade. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site