Brasil

Supremo Tribunal do Brasil autoriza abertura de nova investigação contra Michel Temer

O Supremo Tribunal do Brasil autorizou a abertura de uma nova investigação contra o presidente brasileiro, Michel Temer. O juiz diz existirem indícios para levar o caso para a frente.

O juiz considerou que "ninguém deve ser indiferente ao ónus pessoal e político de uma autoridade pública"

Kenzaburo Fukuhara / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O juiz Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, autorizou esta terça-feira a abertura de uma investigação contra o Presidente Michel Temer, suspeito de ter beneficiado ilicitamente uma empresa que atua no maior porto do país.

Michel Temer será investigado juntamente com o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures neste caso que veio a público em maio, junto com outras denúncias que envolvem membros do Governo brasileiro. Na decisão, o juiz do STF justificou que existem indícios para levar o caso para a frente.

Os elementos colhidos revelam que Rodrigo Rocha Loures, homem sabidamente da confiança do Presidente da República, menciona pessoas que poderiam ser intermediárias de repasses ilícitos para o próprio Presidente da República, em troca da edição de ato normativo de específico interesse de determinada empresa, no caso, a Rodrimar”, escreveu o juiz.

O juiz Luís Roberto Barroso considerou que “ninguém deve ser indiferente ao ónus pessoal e político de uma autoridade pública, notadamente o Presidente da República, figurar como investigado em procedimento dessa natureza”. No entanto, acrescentou que “este é o preço imposto pelo princípio republicano, um dos fundamentos da Constituição brasileira, ao estabelecer a igualdade de todos perante a lei”.

O pedido de investigação foi feito pelo Procurador-geral do Brasil, Rodrigo Janot, em agosto. O procurador brasileiro apontou numa petição enviada ao STF que existem indícios de que Michel Temer e o ex-deputado teriam cometido os crimes de corrupção e branqueamento de capitais na edição de um decreto sobre portos que favoreceu a empresa Rodrimar.

A nova investigação foi baseada em documentos apreendidos pela polícia e escutas telefónicas feitas ao ex-deputado Rodrigo Rocha Loures. Num dos telefonemas, o ex-deputado pede a um membro do Governo que acrescente ao decreto dos portos uma norma que alegadamente beneficiaria a empresa Rodrimar.

Em outra escuta telefónica que foi monitorada pela polícia brasileira, o mesmo Rodrigo Rocha Loures conversa com um dos executivos da Rodrimar sobre as articulações que fez junto do Governo para que editasse o decreto dos portos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site