Coreia do Norte

Guterres diz que solução para a Coreia do Norte “só pode ser política”

António Guterres diz que a solução a ter com a Coreia do Norte tem de ser "política". O secretário-geral das Nações Unidas teme que uma ação militar cause uma "devastação" que dure gerações.

ATEF SAFATI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse esta quarta-feira que a unidade no Conselho de Segurança em relação à Coreia do Norte “é uma oportunidade”, defendendo que a solução para a crise “só pode ser política”.

Uma ação militar pode causar devastação que levará várias gerações para recuperar”, avisou o secretário-geral.

O diplomata disse ainda que a Coreia do Norte “deve cumprir completamente com as suas obrigações internacionais”. Sobre os críticos que têm pedido uma postura mais interventiva do secretário-geral, António Guterres disse que tem feito o que está ao alcance do seu cargo.

Temos uma constituição, que é a Carta [das Nações Unidas]. Estou a fazer tudo o que posso dentro dos limites da Carta, com a mais ampla interpretação da Carta que posso fazer sem a violar. O momento em que violar a Carta, toda a minha capacidade para atuar ficará comprometida”, explicou Guterres.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou na segunda-feira, por unanimidade, um novo conjunto de sanções contra a Coreia do Norte, proposto pelos EUA, interditando as exportações têxteis e reduzindo o seu abastecimento em petróleo e gás.

Conselho de Segurança das Nações Unidas aprova “sanções mais severas de sempre” à Coreia do Norte

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Totalitarismo

Paulo Tunhas

Age-se como se cada um fosse como um camaleão, pronto a se metamorfosear naquilo a que aspira. Podemos descer na escala dos seres até aos animais ou tornarmo-nos divinos, de acordo com a nossa vontade

Banca

O BES e o novo modelo de supervisão

Helena Garrido

Os casos BES e Banif não teriam acontecido se já tivéssemos o novo modelo de supervisão bancária em discussão pública? As arquitecturas de governação não mudam as pessoas nem alteram os incentivos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site