Casa Branca

Quem é Hope Hicks, a nova diretora de comunicação da Casa Branca?

Aos 28 anos, Hope Hicks assume o cargo de diretora de comunicação da Casa Branca. Discreta e reservada, a ex-modelo é a terceira pessoa a ocupar o cargo desde que Donald Trump chegou à presidência.

AFP/Getty Images

Hope Hicks já ocupava o cargo de diretora de comunicação interina da Casa Branca desde julho deste ano, após a saída repentina de Anthony Scaramucci, mas assume agora o cargo de forma permanente. Aos 28 anos, esta norte-americana do Connecticut e antiga aluna da Universidade Metodista do Sul, torna-se assim a terceira pessoa a ocupar o posto desde que Donald Trump foi eleito Presidente, seguindo-se a Mike Dubke e Scaramucci.

Trump afasta diretor de comunicação. Scaramucci sai 10 dias depois de ser nomeado

A informação foi inicialmente avançada pela Bloomberg e mais tarde confirmada pela própria, que atualizou a descrição na sua conta de Twitter, e foi anunciada juntamente com uma série de outras nomeações como a de Mercedes Schlapp (antiga colaboradora do canal de televisão Fox News) para o departamento de comunicação da Casa Branca.

De acordo com o “Politico”, terá sido a própria Hicks a insistir para que ocupasse primeiro as funções de forma interina, mas já seria claro dentro da Casa Branca que seria a jovem a ocupar o cargo de forma permanente — visível no facto de, à altura, Ivanka Trump a ter felicitado pela nomeação como “diretora de comunicação da Casa Branca”.

Uma funcionária leal e com pouco ego

Hope Hicks começou a trabalhar com a família Trump através da empresa de relações públicas Hiltzik Strategies, tratando da comunicação para alguns dos negócios de Ivanka Trump. Daí saltou para o cargo de diretora de comunicação da campanha do próprio Donald Trump em 2015. Antes disso, Hicks trabalhou durante algum tempo como modelo, tendo inclusivamente feito uma campanha para a Ralph Lauren. A política, contudo, parece correr no sangue da sua família: o seu pai, Paul Hicks, foi chefe de gabinete do congressista republicano Stewart McKinney.

“O meu pai exige às pessoas que ganhem a sua confiança e ela ganhou a confiança dele”, resumiu Ivanka Trump ao “New York Times” aquando da sua nomeação para a campanha. “Ela entende-o completamente”, acrescentou no mesmo artigo o antigo diretor de campanha de Trump, Paul Manafort.

“Acho que o facto de ser uma novata é muito mais enervante por si só do que o facto de ser um novata na campanha”, declarou a própria Hicks à altura. “Há tanta gente aqui que é nova nisto e que está a tentar perceber as coisas à medida que acontecem que pouco importa se se tem experiência ou não.”

Com mais ou menos experiência, certo é que Hicks parece ter conquistado a confiança de toda a família Trump. O “Politico” garante, por exemplo, que a diretora de comunicação já frequentou a casa de Ivanka Trump e do seu marido, Jared Kushner. A sua discrição é frequentemente apontada como um ponto positivo: “Ela não tem um ego que se intrometa no objetivo principal, que é a promoção do Presidente”, resume o antigo ocupante do cargo Mike Dubke.

“Ao contrário de outros, ela percebe o estilo de Trump”, resume Tara Mckelvey, correspondente da BBC na Casa Branca. “É provável que ela continue a trabalhar da mesma forma que tem feito desde a campanha. Mantendo-se longe dos holofotes e a tentar apenas ajudar os jornalistas com as questões logísticas.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Presidente Trump

Donald Trump, o Príncipe Asiático

Diana Soller

A relação EUA-China passou a ser central para Washington. Pequim é o Estado que pode comprometer o equilíbrio do sistema internacional e, por isso, está no topo das prioridades da Casa Branca.

Medicina

Mãe e avó

Pedro Vaz Patto

A respeitável intenção de ter um filho não pode levar a fazer deste um objeto de um desejo ou de um direito, a satisfazer esquecendo ou ultrapassado o seu supremo bem.

Pobreza

O dia mundial dos pobres, uma hipocrisia?!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Com o valor, certamente astronómico, da hipotética venda da Pietà, milhões de pobres, que vivem agora na miséria, poderiam ser significativamente ajudados.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site