Celebridades

Amy Winehouse. Se fosse viva, cantora faria hoje 34 anos

530

Drogas e álcool marcaram os últimos anos de Amy Winehouse que, apesar dos sucessos, definhou diante do mundo inteiro. Esta quinta-feira faria 34 anos.

Se fosse viva, Amy Winehouse faria hoje 34 anos. A cantora britânica morreu a 23 de julho de 2011. Tinha 27 anos quando foi encontrada sem vida na sua casa, no norte de Londres. Para trás ficaram êxitos como “Rehab”, do muito aclamado álbum “Back to Black”, do qual também faz parte o tema “Love is a Losing Game”.

Álcool, excesso de drogas e bulimia têm sido apontadas como as razões para o declínio da cantora, cuja vida foi recentemente retratada no polémico documentário “Amy Winehouse – Love is a Losing Game”, da autoria de Asif Kapadia. Trabalho que a família de Amy considerou basear-se em “falsidades básicas”.

Filha de um taxista e de uma farmacêutica, Amy Winehouse nunca ponderou ser famosa. Chegou a dizer, inclusive, que “provavelmente enlouqueceria” caso isso acontecesse. Aconteceu e de que maneira, com a estrela a ser perseguida pelos media repetidas vezes, depois de ter sido descoberta quando atuava na National Youth Orchestra.

Aos 16 anos, Amy já cantava profissionalmente, mas foi o primeiro álbum, de nome “Frank”, lançado em 2003, que despertou a atenção de terceiros e que, segundo a Hello Magazine, lhe valeu comparações com alguns dos grandes nomes do jazz, tais como Nina Simone e Sarah Vaughn. O jornal The Times haveria de caracterizar a sua voz de “terrena, calorosa, vivida e surpreendentemente versátil”.

Menos calorosa terá sido a relação com o marido Blake Fielder-Civil, cuja separação inspirou muito do trabalho em “Back to Black”. Apesar de um namoro atribulado, os dois acabariam por casar em maio de 2007, no decorrer de uma viagem à Flórida.

Em fotogaleria, ficam algumas imagens da vida pública, de 2003 em diante, de Amy Winehouse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Identidade de Género

Totalitarismo

Paulo Tunhas

Age-se como se cada um fosse como um camaleão, pronto a se metamorfosear naquilo a que aspira. Podemos descer na escala dos seres até aos animais ou tornarmo-nos divinos, de acordo com a nossa vontade

Banca

O BES e o novo modelo de supervisão

Helena Garrido

Os casos BES e Banif não teriam acontecido se já tivéssemos o novo modelo de supervisão bancária em discussão pública? As arquitecturas de governação não mudam as pessoas nem alteram os incentivos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site