Enfermeiros

Bastonário dos Médicos preocupado com adiamento de cirurgias devido à greve dos enfermeiros

O bastonário da Ordem dos Médicos está preocupado com o adiamento de cirurgias, resultado da greve dos enfermeiros. Miguel Guimarães diz que as greves têm sempre "algum prejuízo" para os doentes.

Os enfermeiros iniciaram às 00h00 de segunda-feira uma greve, que decorre até às 24h00 de sexta-feira

TIAGO PETINGA/LUSA

O bastonário da Ordem dos Médicos manifestou esta quinta-feira “alguma preocupação” com o adiamento de cirurgias devido à greve dos enfermeiros e apelou ao Governo para “encetar diálogo com os sindicatos” e “tentar chegar a um acordo equilibrado”.

Estou a manifestar preocupação relativamente aos doentes. Naturalmente que as greves têm sempre algum prejuízo lateral para os doentes“, afirmou Miguel Guimarães aos jornalistas, à margem da participação num evento na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Enfermeiros. Adesão à greve no turno da noite é de 90%, mais de seis mil cirurgias adiadas

Para o bastonário, o Governo e o ministério da Saúde “devem encetar diálogo com os enfermeiros, nomeadamente com os sindicatos, e tentar chegar a um acordo equilibrado, dentro das possibilidades do próprio país, no sentido de atender a, pelo menos, uma das reivindicações dos enfermeiros, que é os enfermeiros especialistas ter uma remuneração melhor”.

Questionado sobre a informação de que centenas de cirurgias foram esta semana adiadas devido à greve dos enfermeiros, o bastonário dos Médicos admitiu desconhecer se a paralisação está a colocar em causa “serviços mínimos, como urgências ou bloco de partos”.

É evidente que as greves são instrumentos sindicais perfeitamente legítimos e normais. Existe sempre algum prejuízo para atendimento dos doentes, seja em contexto de consulta externa ou de bloco operatório. O que não pode acontecer é [haver] prejuízo na área dos serviços mínimos: urgências e bloco de partos. Não sei se há. Já tentei saber, mas não sei”, afirmou.

Em declarações à rádio TSF, Alexandre Lourenço, presidente da Associação dos Administradores Hospitalares, revelou esta quarta-feira que há centenas de cirurgias que estão a ser adiadas devido à greve dos enfermeiros. Para Miguel Guimarães, “é natural que cirurgias não se façam”, mas “os hospitais vão resolver os problemas destes doentes [afetados pelas cirurgias adiadas] assim que puderem”.

“É desagradável [o adiamento de cirurgias], até porque algumas são por motivos oncológicos. Estes dias não são facilmente recuperáveis. Os casos mais urgentes podem realizar-se na próxima semana mas, para isso, os da próxima semana terão de ser adiados. Alguém será sempre adiado. Agora, estes doentes vão ser operados mais tarde, mas vão ser operados”, frisou.

Os enfermeiros iniciaram às 00h00 de segunda-feira uma greve, marcada pelo Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem (SIPE) e pelo Sindicato dos Enfermeiros (SE), que decorre até às 24h00 de sexta-feira. A paralisação foi marcada como forma de protesto contra a recusa do Ministério da Saúde em aceitar a proposta de atualização gradual dos salários e de integração da categoria de especialista na carreira. A Secretaria de Estado do Emprego considerou irregular a marcação da greve, alegando que o pré-aviso não cumpriu os dez dias úteis que determina a lei.

Ministro da Saúde considera greve marcada pelos enfermeiros “ilegítima, ilegal, imoral”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site