Proteção Civil

Comandante da Proteção Civil fez quase toda a licenciatura com equivalências

4.775

Rui Esteves fez apenas quatro cadeiras por exame e obteve 32 créditos por experiência profissional para conseguir a licenciatura em Proteção Civil. Lei foi alterada depois do (semelhante) caso Relvas.

LUSA

O comandante nacional da Proteção Civil, Rui Esteves, fez a licenciatura praticamente toda com equivalências concedidas por causa da experiência profissional e formação acumuladas aos logo da sua carreira. A licenciatura em Proteção Civil foi feita em 2006 na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco. Rui Esteves tem estado sob forte pressão por causa da sua ação durante os incêndios deste Verão.

De acordo com informações recolhidas pelo jornal Público, Rui Esteves fez quatro cadeiras por avaliação e exame e teve equivalência nas restantes 32 para completar a licenciatura. O jornal adianta que estas equivalências foram concedidas ao então comandante distrital em Castelo Branco com base na experiência profissional e os cursos de formação feitos em Portugal e no Estrangeiro. Rui Esteves explica que pediu os créditos que lhe foram dados pela instituição de ensino superior “em conformidade com a lei vigente” e pelo que já tinha adquirido “ao longo de 30 anos de carreira”.

Matriculei-me, durante quatro anos frequentei algumas aulas e, à medida que fui avançando, pedi creditação. Houve umas que me foram dadas, outras não”, explicou o comandante ao Público.

Na altura a lei ainda não estipulava limite para os créditos concedidos pelos institutos de Ensino Superior a alunos que pedissem equivalências. Mas depois do caso da licenciatura de Miguel Relvas, o Governo PSD/CDS (do qual Relvas tinha feito parte até abril) fez um decreto a alterar esta realidade e fixou, por exemplo, que só até 50% da formação como a que apresentava Rui Esteves é que pode ser creditada no plano de estudos de um curso do Ensino Superior. Além disso, a experiência profissional só pode pesar até um terço do total dos créditos do curso.

Recorde-se que Miguel Relvas, que se tinha licenciado em Relações Internacionais na Universidade Lusófona em 2006, tinha feito apenas 4 exames e tinham-lhe sido concedidas 32 equivalências — curiosamente os mesmos números que constam no currículo do comandante nacional da Proteção Civil. Há um ano, o Tribunal Administrativo de Lisboa considerou nula a licenciatura do ministro dos Assuntos Parlamentares de Pedro Passos Coelho.

A notícia sobre o percurso académico de Rui Esteves surge numa altura em que o comandante nacional da Proteção Civil está particularmente fragilizado, tendo em conta os graves fogos deste ano. Rui Esteves foi uma das peças que integrou a grande (e muito questionada pela oposição) mudança na estrutura de topo da Proteção Civil feita pelo Governo a meses da época crítica de incêndios. O comandante iniciou funções em janeiro e, ele mesmo, ainda somou mais mudanças às alterações do Governo, nomeando 13 novos comandantes distritais e quatro de cargo. Entretanto corre também um processo disciplinar a Rui Esteves, aberto pela ministra da Administração Interna, por acumulação de cargos.

Administração Interna abre processo contra Comandante da Proteção Civil

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site