Guiné-Bissau

Órgãos públicos de comunicação social da Guiné-Bissau anunciam greve geral de três dias

Os órgãos de comunicação social públicos guineenses anunciaram um pré-aviso de greve de três dias para reivindicarem o cumprimento de uma série de exigências.

CLEMENS BILAN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os órgãos de comunicação social públicos guineenses anunciaram um pré-aviso de greve de três dias para reivindicarem o cumprimento de uma série de exigências entre as quais melhorias de condições de trabalho e aumentos salariais.

Francisco Indeque, presidente do sindicato que representa os jornalistas e técnicos de comunicação social da Radiodifusão nacional (RDN), televisão da Guiné-Bissau (TGB), jornal No Pintcha e Agência Noticiosa da Guiné (ANG), indicou esta quinta-feira à Lusa que a greve decorrerá entre terça e sexta-feira da próxima semana.

“Vamos parar tudo, apenas teremos os serviços mínimos previstos na lei”, adiantou Indeque, afirmando que o Governo não cumpriu com um memorando assinado com os sindicatos no passado mês de julho, durante um outro período de greve.

O entendimento que possibilitou o levantamento da greve dizia que o Governo, entre outros, iria disponibilizar equipamentos para os quatro órgãos, nomeadamente câmaras para a televisão, viaturas de transporte do pessoal da rádio, computadores para ANG e Internet.

O Governo também se comprometeu em proceder a um ajuste salarial, formação, publicação no Boletim Oficial (Diário da República) das nomeações dos funcionários nos quatro órgãos, criação de todos os serviços que compõem uma empresa pública, no caso específico da televisão e ainda a assinatura de um contrato programa com o executivo para a TGB. O memorando também previa a fixação pelo Governo de uma taxa a ser paga pelos telespectadores da televisão.

Francisco Indeque precisou que o pré-aviso de greve visa sobretudo exigir ao Governo o “fim efetivo da censura” nos órgãos de comunicação social estatal, sublinhando que no caso da TGB cerca de 100 trabalhadores subscreveram um abaixo-assinado nesse sentido. Indeque afirmou que o sindicato está aberto para dialogar com o Governo, mas exige o cumprimento dos pontos em reivindicação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Totalitarismo

Paulo Tunhas

Age-se como se cada um fosse como um camaleão, pronto a se metamorfosear naquilo a que aspira. Podemos descer na escala dos seres até aos animais ou tornarmo-nos divinos, de acordo com a nossa vontade

Banca

O BES e o novo modelo de supervisão

Helena Garrido

Os casos BES e Banif não teriam acontecido se já tivéssemos o novo modelo de supervisão bancária em discussão pública? As arquitecturas de governação não mudam as pessoas nem alteram os incentivos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site