Energia

Primeira grande central solar da Europa sem tarifas garantidas “nasce” em Ourique

A primeira grande central solar da Europa que vai produzir energia sem tarifas garantidas ou outros subsídios estatais está a ser construída no concelho de Ourique, no Alentejo.

ACCIONA / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A primeira grande central solar da Europa que vai produzir energia sem tarifas garantidas ou outros subsídios estatais está a ser construída no concelho de Ourique, no Alentejo, num investimento de cerca de 35 milhões de euros.

A Central Solar Fotovoltaica Ourika! é “a primeira de grandes dimensões” a ser construída na Europa para operar em regime de mercado, ou seja, sem tarifas garantidas ou outros subsídios estatais que acarretam custos para os consumidores e contribuintes, segundo informações prestadas hoje à agência Lusa pela empresa promotora, a MorningChapter.

Segundo a empresa, uma pareceria entre os grupos Solaer e Prosolia Energy, é “uma central pioneira”, porque “vem provar o novo paradigma para a energia solar na Europa” baseado no regime de mercado.

A central Ourika! foi projetada para provar que é “possível” produzir energia através de uma grande central semelhante à de Amareleja, no concelho de Moura, também distrito de Beja, que tem uma potência total instalada de 46,41 megawatts-pico (MWp) e chegou a ser maior do mundo, “mas sem o impacto negativo no preço da energia”, refere a empresa.

A central de Amareleja, no total dos seus 25 anos de vida útil, pode implicar um sobrecusto em tarifas garantidas de aproximadamente 200 milhões de euros e que deverá ser pago por todos os portugueses, frisa a empresa.

Com uma potência total instalada de 46 MWp, distribuídos por quase 142 mil painéis solares, a central Ourika! irá produzir 80 gigawatts-hora (GWh) de energia por ano, o suficiente para garantir o consumo de aproximadamente 25 mil famílias e evitar a emissões de quase 45 mil toneladas de gases com efeito de estufa.

A central Ourika!, que começou a ser construída no passado mês de julho, numa área de 100 hectares situada perto da aldeia de Grandaços, no concelho de Ourique, distrito de Beja, deverá ficar concluída em julho e começar a produzir em agosto de 2018, refere a empresa.

O projeto, hoje apresentado em Ourique, vai envolver 150 trabalhadores na fase de construção e criar cinco postos de trabalho permanentes quando a central estiver a funcionar em pleno e sobretudo em serviços de operação e manutenção.

A empresa escolheu o concelho de Ourique para instalar a Ourika por ser “a melhor localização da Europa para instalação de uma central solar fotovoltaica em regime de mercado” e por ter “muito boas condições” para centrais solares, como a “máxima irradiação solar na Europa continental” e proximidade à rede nacional de transporte (RNT) de eletricidade.

Segundo a MorningChapter, a central Ourika! está “alinhada com todas as exigências do novo regulamento de ligação de geradores às redes da União Europeia” e será a primeira central solar ligada diretamente à RNT, gerida pela empresa REN – Redes Energéticas Nacionais, ao contrário das já existentes, que estão ligadas à Rede Nacional de Distribuição (RND), gerida pela empresa EDP Distribuição.

A energia produzida pela Ourika!, a primeira central solar a ser licenciada em Portugal para operar em regime de mercado, será vendida no mercado ibérico ou exportada para qualquer outro mercado da União Europeia.

A central Ourika! tem dimensão para “fazer a diferença na redução da necessidade de importação de combustíveis, aumentando a independência energética nacional e europeia” tanto de gás natural importado da Rússia como de energia nuclear, frisa a empresa.

O nome Ourika! resulta da conjugação entre a palavra Ourique e a famosa interjeição “Eureka”, que significa descobri, atribuída ao matemático grego Arquimedes de Siracusa e pronunciada por alguém quando encontra solução para um problema e que foi exclamada pelos promotores quando encontraram o local “perfeito” para a construção da central, explica a empresa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Totalitarismo

Paulo Tunhas

Age-se como se cada um fosse como um camaleão, pronto a se metamorfosear naquilo a que aspira. Podemos descer na escala dos seres até aos animais ou tornarmo-nos divinos, de acordo com a nossa vontade

Banca

O BES e o novo modelo de supervisão

Helena Garrido

Os casos BES e Banif não teriam acontecido se já tivéssemos o novo modelo de supervisão bancária em discussão pública? As arquitecturas de governação não mudam as pessoas nem alteram os incentivos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site