Ténis de Mesa

Seleções portuguesas apuram-se para os quartos do Europeu de ténis de mesa

As seleções portuguesas de ténis de mesa estão nos quartos de final do Europeu. A equipa masculina derrotou a Áustria e a seleção feminina venceu a Ucrânia.

Ainda hoje, a seleção portuguesa vai discutir a vitória no Grupo B com a Eslováquia

TIAGO PETINGA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

As seleções portuguesas de ténis de mesa qualificaram-se esta quinta-feira para os quartos de final do Campeonato da Europa de equipas, que decorre no Luxemburgo, tanto no setor masculino, como no feminino. A representação masculina impôs-se por 3-2 à congénere da Áustria, campeã em título e que tinha derrotado Portugal nos Europeus de 2014 — sem que isso tenha impedido a equipa das ‘quinas’ de se sagrar campeã – e 2015.

Marcos Freitas, que bateu Robert Gardos, por 3-1, e Stefan Fegerl por 3-2, e Tiago Apolónia, vencedor do confronto final com Gardos, por 3-2, consumaram o triunfo luso, apesar dos desaires de Apolónia frente a Fegerl e de João Monteiro ante Daniel Habesohn, ambos por 3-2. Ainda hoje, a seleção portuguesa vai discutir a vitória no Grupo B com a Eslováquia, que também venceu a Áustria, por 3-2, mas perdeu pela mesma margem com a Eslovénia, que a equipa lusa tinha derrotado na estreia, por 3-0.

No setor feminino, a equipa nacional venceu a Ucrânia por 3-2, assegurando um lugar nos quartos de final, uma vez que já tinha vencido a Espanha, por 3-1, apesar de ter cedido frente à Áustria, por 3-2. Fu Yu impôs-se as ucranianas Margaryta Pesotska (3-2) e Ganna Gaponova (3-1), e Jieni Shao bateu Pesotska (3-1), depois de ter perdido frente a Gaponova (3-0), enquanto Cátia Martins estreou-se no Europeu com uma derrota frente a Solomiya Brateyko (3-0).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Totalitarismo

Paulo Tunhas

Age-se como se cada um fosse como um camaleão, pronto a se metamorfosear naquilo a que aspira. Podemos descer na escala dos seres até aos animais ou tornarmo-nos divinos, de acordo com a nossa vontade

Banca

O BES e o novo modelo de supervisão

Helena Garrido

Os casos BES e Banif não teriam acontecido se já tivéssemos o novo modelo de supervisão bancária em discussão pública? As arquitecturas de governação não mudam as pessoas nem alteram os incentivos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site