Solidariedade

#umaimagemsolidaria. 30 das fotos que valeram mais de 5 mil euros aos bombeiros de Pedrógão Grande

Mais de 230 fotógrafos abriram os portfólios e venderam imagens para ajudar os bombeiros das zonas mais afetadas pelos incêndios. A campanha resultou em mais de 5 mil euros para Pedrógão Grande.

#umaimagemsolidaria

Depois de ter angariado mais de cinco mil euros para os bombeiros de Castanheira de Pêra, a iniciativa “Uma Imagem Solidária” regressa esta quinta e sexta-feira, desta vez no Mira Fórum (Porto). A campanha, que reuniu mais de 230 fotojornalistas e fotógrafos profissionais, tem como nova missão comprar fatos de proteção aos bombeiros de Castanheira de Pêra, como explica António Cotrim, impulsionador da iniciativa, à Agência Lusa.

Tudo começou a 17 junho, quando o incêndio florestal deflagrou no concelho de Pedrógão Grande e avançou para outros concelhos nos distritos de Leiria, Castelo Branco e Coimbra. O incêndio foi combatido por bombeiros de corporações de todo o país e também do estrangeiro. Em sinal de solidariedade, vários fotógrafos venderam imagens do seu portfólio e entregaram os lucros — 5.286 euros — aos bombeiros das zonas mais afetadas pelo incêndio, considerado o pior e mais mortífero de sempre em Portugal.

Agora, a campanha está de regresso com o mesmo lena da edição anterior — “o melhor de cada um de nós para o melhor de todos nós” — para provar que “a solidariedade não tem limites”, disse o fotojornalista António Cotrim. As fotografias vão estar exposição no centro comercial na Mira a partir das 20h30 de quinta-feira, 14 de setembro, e podem ser trocadas por donativos num mínimo de 20 euros. De acordo com o organizador da campanha, há imagens doadas por fotógrafos do Brasil, Alemanha e Macau.

Mesmo antes de ter começado, a segunda edição de “Uma Imagem Solidária” já está a dar frutos: a campanha conta com o apoio do Mira Forum, da Colorfoto , da Extincêndios e da EasyGest: o centro comercial oferece o espaço, a Colorfoto assegurou a impressão das fotografias) e a Extincêndios e EasyGest ofereceram, cada uma, quatro fatos de proteção para bombeiros. “Vamos mais uma vez dizer obrigado àqueles que estão sempre presentes, mesmo pondo em risco a própria vida. Alguns sabem que vão mas não sabem se voltam”, pode ler-se no comunicado da iniciativa.

O incêndio florestal de Pedrógão Grande matou 64 pessoas e feriu outras 254, sete delas com gravidade. Cerca de 500 habitações e quase 50 empresas foram afetadas pelo fogo, colocando em perigo o emprego de 372 pessoas. Estima-se que este desastre tenha provocado prejuízos diretos de mais de 193 milhões de euros. Serão precisos 303,5 milhões para reerguer as regiões fustigadas pelo incêndio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site