Carta de condução

Só 3% dos condutores multados perderam pontos na carta

144

Dos mais de 400 mil condutores multados entre junho de 2016 e junho de 2017, só 14 mil perderam pontos na carta, por falhas no sistema, revela o presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa.

A nova lei, que prevê a retirada de pontos na carta de condução, entrou em vigor em junho de 2016

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Dos mais de 407 mil condutores que cometeram infrações graves, muito graves ou crimes e que foram castigados por isso, entre junho de 2016 e junho de 2017, só 14 mil acabaram por perder pontos na carta de condução, conforme previsto na nova lei, escreve o Jornal de Notícias (link disponível para assinantes). Ou seja, só 3,4% dos infratores ficaram sem pontos.

Os números são avançados pelo presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa, José Miguel Trigoso, que entende que o sistema, que entrou em vigor precisamente em junho de 2016, “não está a funcionar” e que só os condutores que cometeram crimes e foram a tribunal é que viram aplicada a medida.

Segundo o responsável ou simplesmente não são retirados os pontos ou a decisão está a demorar tanto tempo que a lei acaba por não ter o efeito dissuasor pretendido. “As pessoas estão a entender que há um crime de impunidade.”

No sistema da Carta por Pontos são atribuídos ao condutor 12 pontos e os pontos vão diminuindo à medida que o automobilista vai cometendo contraordenações graves, muito graves ou crimes rodoviários, mas podem aumentar caso não existam infrações ao fim de três anos.

No caso das contraordenações graves, os condutores perdem dois pontos e, nas muito graves, quatro, enquanto nos crimes rodoviários vão ser subtraídos seis pontos.

A subtração de pontos tem níveis intermédios, sendo o condutor obrigado a frequentar ações de formação de segurança rodoviária quanto têm cinco ou quatro pontos e a realizar um novo exame de código quando fica com menos três.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Universidades

Injustiça, iniquidade, inânia, e interior

António Fidalgo
124

Lisboa não é zona de convergência, mas acaba de receber, efectivamente, mais dinheiro de fundos comunitários que qualquer zona do Interior. Iniquidade é o que é. Chamem-se os bois pelos nomes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site