Bloco de Esquerda

BE quer “coragem” do Governo para baixar conta da luz em 2018 com corte nas rendas

A coordenadora do BE, Catarina Martins, exigiu ao Governo "coragem" para cortar nas rendas excessivas da energia e assim permitir que já em 2018 a conta da luz baixe, pela primeira vez, em Portugal.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

A coordenadora do BE, Catarina Martins, exigiu esta segunda-feira ao Governo “coragem” para cortar nas rendas excessivas da energia e assim permitir que já em 2018 a conta da luz baixe pela primeira vez em Portugal.

Num jantar comício da campanha autárquica, em Setúbal, Catarina Martins trouxe um tema antigo pelo qual o BE se bate, antecipando que, esta semana, a Entidade Reguladora dos Serviços Energético (ERSE) “vai dizer o que é se pode fazer com os contratos CMEC” (Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual), ou seja, “como é que se podem baixar os valores que estão a ser pagos porque se chegou à conclusão que se está a pagar muito mais do que devia”.

Esta semana, a entidade reguladora dá a possibilidade ao Governo de cortar nas rendas da energia e portanto, nos próximos dias, o Governo será confrontado com a seguinte escolha: ter a coragem de cortar nas rendas da energia para assim proteger os consumidores e fazer baixar a conta da luz ou deixar tudo na mesma”, atirou.

A líder do BE foi perentória na exigência que “não se desperdice esta oportunidade” porque “a conta da luz pode baixar pela primeira vez em 2018” se houver “a coragem de acabar com o excesso nas rendas dos CMEC”.

“Esta semana, a ERSE vai fazer as contas aos CMEC, que são uma sigla que as pessoas conhecem porque andam em processos judiciais para trás e para a frente, mas há também um problema político para resolver – independentemente do caminho dos tribunais – que é estes contratos serem um verdadeiro assalto na conta da luz”, explicou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

Candura a mais é pecado

Luís Aguiar-Conraria
405

A tradição socialista é isto, não conseguir distinguir a ética da lei. São incontáveis os governantes que, depois de o terem sido, foram trabalhar para as grandes empresas do sector energético.

IPSS

Raríssimas: o Estado é parte do problema

Rui Ramos

Mais do que por uma “vida de luxo”, a direcção da Raríssimas foi atraída por uma “vida de Estado”. Libertar a sociedade deste Estado gordo e promíscuo seria um meio de a libertar das piores tentações.

Governo

O país pequenino onde uma mão lava a outra

José Manuel Fernandes
1.141

A Raríssimas não é raríssima. Pior: se virmos como desde o topo do Governo a um pouco por todo o Estado há demasiados amigos e familiares, percebe-se que o exemplo até vem de cima. E ninguém estranha.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site