Educação

Soluções inteligentes entram na Universidade

269

Como serão as universidades do futuro? É ponto assente que uma gestão ambiental sustentável deverá ser uma prioridade nestes espaços que podem ser comparados a “pequenos núcleos urbanos”.

Getty Images/iStockphoto

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) quer afirmar-se como um exemplo de boas práticas ambientais e assume um compromisso com a sustentabilidade ecológica.

“Pensar e projetar a ‘Eco Universidade para o Futuro’ exige identificar e interpretar os principais desafios societais de hoje. Exige um pensamento e posicionamento estratégicos claros, de forma a explorar as alternativas que garantam a sua permanente renovação e a adaptação às novas coordenadas envolventes, onde se enquadra a agenda ambiental”, defende o reitor da UTAD, António Fontainhas Fernandes.

Para prosseguir estas metas a universidade aprovou um plano estratégico para o próximo quadriénio, em articulação com os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável traçados na “Agenda 2030” da ONU, que inclui modelos de ação para a erradicação da pobreza, promoção da prosperidade e bem-estar de todos, proteção do ambiente e combate às alterações climáticas.

O Banco Santander Totta associou-se ao Eco Campus no âmbito da parceria que celebrou, no início setembro, com a UTAD. Este acordo prevê ainda apoios plurianuais para o desenvolvimento sustentável, académico e tecnológico, privilegiando o reforço da mobilidade internacional de estudantes, professores e investigadores.

Eco-Campus: um “laboratório vivo e evolutivo”

A universidade de Vila Real quer apostar num espaço que se reinventa para se tornar cada vez mais vanguarista, respeitando sempre o ambiente. “As universidades têm vindo a ser comparadas com pequenos núcleos urbanos que, a par das estruturas de ensino, investigação e desenvolvimento, englobam infraestruturas de restauração, desportivas, lazer e conveniência que justificam um sistema de gestão ambiental”, sublinha o reitor.

Neste contexto será criado o primeiro Eco Campus português, com espaços sustentáveis ativos e integrados, como forma de preservação, sensibilização e educação ambiental.

“O futuro passa por ambicionar a transformação do campus num laboratório experimental vivo evolutivo, incluindo roteiros ambientais no domínio do ordenamento, da gestão dos espaços verdes, dos recursos e resíduos, da construção e da eficiência energética, entre outros”, disse o responsável da UTAD.

O campus deve ainda ser pensado “à luz de soluções inteligentes”, com inspiração no conceito das smart cities, respeitando a identidade da universidade, mas com uma aposta em formatos inovadores de convívio, interatividade, lazer e desporto, capazes de estimular estilos de vida saudáveis.

Para fazer crescer uma nova ideia de universidade pretende-se também promover a cooperação e partilha de boas práticas entre instituições de ensino superior internacionais em complemento com a melhoria da qualidade da educação. A agenda inclui dinâmicas de ensino, investigação e inovação que permitam preparar os estudantes para serem decisores de excelência no futuro.

João Soares Carrola

Empreendedorismo e inovação na linha da frente

O convénio de mecenato engloba também o estímulo ao empreendorismo e inovação, quer no que se refere às competências dos estudantes, quer no fomento de dinâmicas que se traduzam na criação de startups ou estágios em empresas recém-formadas.

A inserção dos jovens no mercado de trabalho é outra das áreas prioritárias, com o reforço da ligação do conhecimento científico universitário ao tecido empresarial, originando a transferência tecnológica e inovação. O Santander Totta irá também disponibilizar à UTAD, durante os primeiros três anos de vigência do acordo, o acesso ao Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades.

“A UTAD é uma universidade de excelência e uma instituição de ensino superior do nosso país com uma crescente reputação a nível nacional e internacional. É agora também um parceiro muito importante para o Santander Totta, com quem o Banco espera manter uma relação nos próximos anos”, considera Marcos Soares Ribeiro, Diretor e Coordenador do Santander Universidades.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Educação

As novas tecnologias e a educação

Maria de Sousa Pereira Coutinho

Muitos autores, ao analisarem as tecnologias de informação, têm vindo a apontar vários riscos, entre os quais está o de elas apagarem o indivíduo ao remetê-lo, forçosamente, para a colectividade.

caderno de apontamentos

O erro a corrigir

João Muñoz de Oliveira
109

É tempo de uma avaliação séria da introdução de provas de aferição, que em nada contribui para a melhoria do sistema educativo. Perante uma promessa de evolução, o que sucedeu foi uma regressão.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site