Crédito

Banca. Moody’s considera positiva criação de plataforma para redução de malparado

A agência de 'rating' Moody's considerou positiva para o BCP, Caixa Geral de Depósitos e Novo Banco a criação de uma plataforma de gestão de crédito malparado.

o objetivo é gerir sobretudo créditos de Pequenas e Médias Empresas

ANDREW GOMBERT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A agência de ‘rating’ Moody’s considerou positiva para o BCP, Caixa Geral de Depósitos e Novo Banco a criação de uma plataforma de gestão de crédito malparado, que deverá estar em funcionamento no início de 2018.

A iniciativa é positiva porque ajudará à recuperação destes ativos e reduzirá o elevado ‘stock’ de créditos problemáticos nos balanços dos bancos portugueses”, disse a vice-presidente da Moody’s Pepa Mori.

Em comunicado hoje divulgado, a responsável considerou que os créditos problemáticos são um “constrangimento na qualidade de crédito e dos bancos portugueses” e um desafio para a sua solvência, considerando que limita a sua capacidade de absorção de perdas, pelo que em sua opinião qualquer tentativa de resolver o problema é bem-vinda.

Contudo, uma vez que nesta solução os créditos continuam no balanço de cada banco, a analista considera que não “terá efeitos imediatos” para os bancos e a sua avaliação de crédito.

O Banco Comercial Português (BCP), a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o Novo Banco anunciaram, na quinta-feira, ao mercado a assinatura de um memorando de entendimento para a criação de uma plataforma de crédito malparado, um projeto que foi desenvolvido ao longo dos últimos meses por um grupo de trabalho nomeado pelo Governo e acompanhado pelo Banco de Portugal.

O objetivo desta plataforma é fazer uma gestão integrada de créditos que vários bancos concederam a uma mesma empresa, com o objetivo de aumentar a eficácia e celeridade nos processos de reestruturação comuns aos bancos em causa.

Numa fase inicial, a plataforma vai gerir créditos cujo valor agregado seja no mínimo cinco milhões de euros e os ativos geridos pela plataforma permanecerão no balanço dos bancos. Segundo informações obtidas pela Lusa junto de fontes envolvidas neste processo, o objetivo é gerir sobretudo créditos de Pequenas e Médias Empresas (PME). Esta plataforma deverá estar operacional no início do próximo ano.

A plataforma contará com uma comissão executiva, que soube-se no comunicado ao mercado dos bancos, que será presidida por José Correia, ex-professor universitário, ex-consultor da Deloitte e atual diretor-geral do Grupo Paulo Duarte (que atua na área de transportes).

A comissão executiva terá ainda representantes dos bancos, não sendo até agora conhecidos os nomes indicados. O outro órgão social desta plataforma (que juridicamente é um agrupamento complementar de empresas) é o comité de reestruturações, que será constituído por três membros independentes e representantes dos bancos.

Será neste comité que será decidido se um crédito vai para reestruturação e de que forma essa será feita. Nessa votação, os membros independentes terão um terço dos direitos de votos (11% cada um), enquanto os bancos ficam com os restantes dois terços dos direitos de voto.

Contudo, nos bancos os direitos de voto serão ponderados em função do peso que cada um tem no agregado de crédito em incumprimento que esteja em causa. Por exemplo, se um banco tiver 50% de um crédito votará com essa percentagem de direitos de voto.

Pode assim haver casos em que um crédito vai para reestruturação apenas com o voto de um banco e dos membros independentes da comissão de reestruturação, tendo os outros bancos que partilham o mesmo crédito de acatar essa decisão.

Aliás, basta um banco ter 18% de um crédito para se esse decidir pela reestruturação e contar com os votos dos membros independentes (33% no total), a reestruturação do crédito ser aprovada, uma vez que a aprovação é feita por maioria simples (mais de 50%).

Esta plataforma de gestão de créditos não é um ‘bad bank‘, entidade que foi falada durante anos para tirar dos balanços dos bancos os créditos que pesam nos seus ativos e penalizam a atividade (nomeadamente a concessão de crédito).

Nesta plataforma, os ativos geridos continuarão no balanço dos bancos.

Além da reestruturação de créditos, os responsáveis da plataforma querem que esse processo seja acompanhado pela injeção de dinheiro novo (por exemplo, sobre a forma de capital ou de financiamento) nas empresas com créditos reestruturados, o que poderá ser feito através da Instituição Financeira de Desenvolvimento (vulgarmente conhecido por banco de fomento) ou do IAPMEI, recorrendo a fundos europeus e consoante o cumprimento de critérios de elegibilidade, ou por investidores privados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site