Angola

Diretor da ONU/SIDA em Angola diz que situação da doença no país “é preocupante”

O índice de prevalência da doença entre a população de Angola é de 2,4%. Diretor da ONU/SIDA em Angola apela por isso à sociedade para se juntar "aos esforços do Governo".

PAULO JULIAO/EPA

O diretor da ONU/SIDA em Angola, Michel Kouakou, considerou esta quinta-feira “preocupante” o índice de prevalência da doença entre a população do país, de 2,4%, apelando por isso à sociedade para se juntar “aos esforços do Governo”.

O diretor do Programa Conjunto das Nações Unidas para o combate ao VIH/Sida (ONU/SIDA) falava à imprensa à margem do workshop nacional promovido pelas Organizações da Sociedade Civil para o Reforço ao Sistema de Saúde Comunitário de Angola, tendo assumido a preocupação com a propagação da doença no país.

“É sim preocupante porque a superfície de Angola é vasta, vasto é também o movimento das pessoas, então, sobretudo quando a gente quer vencer esta doença até 2030, temos que juntar esforços para que isso possa acontecer nesse horizonte”, disse Michel Kouakou.

O objetivo passa por atingir, entre outras, a meta de 90% de pessoas diagnosticadas com sida sob tratamento antirretroviral até 2030.

“Temos a possibilidade de tratar as pessoas, de mantê-las vivas e mantê-las na sociedade. Fazemos sempre um apelo sobre a prevenção, os meios existem, o Governo esta fazer muito esforço, o custo de tratamento é muito elevado”, apontou Michel Kouakou.

O ‘workshop’ nacional das Organizações da Sociedade Civil para o Reforço ao Sistema de Saúde Comunitário de Angola, que encerra esta quinta-feira, em Luanda, é uma organização da Rede Angolana das Organizações de Serviços de Sida (Anaso).

Aquela organização estimou anteriormente que a epidemia de Sida em Angola afeta já cerca de meio milhão de pessoas, sendo que apenas 215.000 estão a ser acompanhadas, das quais 78.000 beneficiam de terapia com antirretrovirais.

De acordo com Michel Kouakou, as ações da ONU/SIDA em Angola continuarão voltadas para o apoio ao Governo nas ações de combate à doença.

“Em junho deste ano, o Governo angolano decidiu implementar o ‘Programa Testar e Tratar’, para todos que sofrem da doença. Então estamos a implementar este programa a nível nacional apoiando nesta fase o Governo”, concluiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site