Educação

Provas de aferição revelam dificuldades a Ciências Naturais, Fisico-Química e Matemática

Na prova de Ciências Naturais e Fisico-Química do 8.º ano, mais de 80% dos alunos revelaram dificuldades nas respostas ou não conseguiram dar uma resposta apropriada.

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os resultados das provas de aferição do 5.º e 8.º ano, realizadas em maio e junho, revelam que os alunos estão com dificuldades nas áreas de Ciências Naturais e Físico-Química e Matemática e Ciências Naturais.

Cerca de 95 mil alunos dos 2.º ano e mais de 100 mil do 5.º e 8.º anos realizaram as provas de aferição entre os dias 02 de maio e 21 de junho, tendo este ano sido avaliadas área disciplinares que não exclusivamente o Português e a Matemática.

De acordo com os resultados divulgados esta quinta feira, na prova de Ciências Naturais e Fisico-Química do 8.º ano, mais de 80% dos alunos revelaram dificuldades nas respostas ou não conseguiram dar uma resposta apropriada.

Esta dificuldade é visível em todas as áreas avaliadas com exceção da análise e interpretação de situações experimentais.

Já ao nível do 5.º ano, 50% dos alunos revelaram dificuldades na produção das suas respostas (ou não conseguiram responder de acordo com o esperado) na prova de História e Geografia de Portugal e ainda na de Matemática e Ciências Naturais.

Este valor percentual, segundo o Ministério da Educação, aproxima-se ou ultrapassa 80% no tema Portugal do século XIII ao século XVII (na prova de Historia e Geografia de Portugal) e ainda em todos os domínios da prova de Matemática e Ciências Naturais.

A disciplina de Ciências Naturais e Físico-Química (8.º ano), a par de Matemática e Ciências Naturais (5.º ano), é aquela que mostra percentagens mais baixas em qualquer um dos níveis, com valores não muito desiguais mas abaixo dos 50% (situando-se entre os 33,4% ‒ nível superior, e 38,9 ‒ nível médio).

No que respeita aos alunos do 2.º ano de escolaridade, os resultados são considerados menos problemáticos mas ainda assim o Ministério da Educação assinala que cerca de 60% dos alunos revelam dificuldades no domínio da Gramática e 70% revelaram dificuldades na elaboração do seu texto.

Estes valores, de acordo com a análise dos resultados hoje divulgada, estão em linha com o observado na prova de Português do 8.º ano, nos mesmos domínios (escrita e gramática): 70% com dificuldades na Gramática e 67% na Escrita.

Segundo o Ministério da Educação, a realização de provas de natureza prática, como as de Expressões Artísticas e de Expressões Físico-Motoras, no 2º ano, a par de provas que se centraram na avaliação de mais do que uma área do conhecimento, como são os casos de Matemática e Ciências Naturais e História e Geografia de Portugal, no 5º ano, e de Ciências Naturais e Físico-Química, no 8º ano, constituíram inovações que contribuem para um diagnóstico mais amplo da forma como está a ser implementado o currículo no ensino básico.

Pela positiva é destacado que nas áreas disciplinares sujeitas a uma avaliação com provas práticas os desempenhos são globalmente bem conseguidos: mais de 80% dos alunos conseguem desempenhos dentro do esperado, com exceção dos domínios Expressão e Educação Musical e Jogos Infantis, onde aquela percentagem se situa nos 60 por cento.

Metade ou mais de metade dos alunos do 2.º ano de escolaridade conseguiram responder de forma adequada (ou com falhas pontuais) em domínios como a Compreensão do Oral e Leitura e Iniciação à Educação Literária (na disciplina de Português), em todos os domínios da disciplina de Matemática e em Estudo do meio nos domínios “À descoberta de si mesmo” e “À descoberta dos outros e das instituições”.

No 5.º ano entre 50% a 70% dos alunos responderam de forma adequada no domínio “A Península Ibérica: localização e quadro natural”, na prova de História e Geografia de Portugal.

No que se refere ao desempenho dos alunos tendo por referência os domínios cognitivos os resultados mostram, em cada disciplina, uma redução quando se comparam processos associados ao conhecimento e reprodução de informação (nível inferior) com aqueles que pressupõem maior complexidade nas operações mentais convocadas, como a interpretação de informação ou o raciocínio (níveis médio e superior).

Constituem exceção a este padrão os casos de Estudo do Meio do 2.º ano (em que a percentagem de alunos com desempenho de nível superior suplanta o valor do nível médio), e Expressões Físico-Motoras (2.º ano) e Ciências Naturais e Físico-Química do 8.º ano (com a percentagem mais elevada a registar-se nos desempenhos de nível médio).

As provas de Expressões Artísticas e Físico-Motoras são, globalmente, as que apresentam os desempenhos mais elevados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

As novas tecnologias e a educação

Maria de Sousa Pereira Coutinho

Muitos autores, ao analisarem as tecnologias de informação, têm vindo a apontar vários riscos, entre os quais está o de elas apagarem o indivíduo ao remetê-lo, forçosamente, para a colectividade.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site