Catalunha

Catalunha. Puigdemont atrasa para terça-feira comparência no parlamento

O chefe do governo da Catalunha pediu para comparecer no parlamento regional a 10 de outubro, atrasando em um dia as explicações à assembleia sobre os passos que conta dar depois do referendo.

JORDI BEDMAR PASCUAL / GENERALITAT / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O chefe do governo da Catalunha, Carles Puigdemont, pediu esta sexta-feira para comparecer no parlamento regional na terça-feira, 10 de outubro, atrasando em um dia as explicações à assembleia sobre os passos que conta dar depois do referendo de autodeterminação.

Fontes parlamentares do parlamento regional, citadas pela agência espanhola Efe, indicaram que Puigdemont pediu a deslocação para explicar “a situação política atual”, o que substitui a comparecência pedida anteriormente para segunda-feira, 09 de outubro, que foi invalidada pelo Tribunal Constitucional.

O tribunal espanhol tomou esta decisão na quinta-feira, depois de um recurso apresentado pelo Partido Socialista da Catalunha, o PSC, por desconfiar da possibilidade de Puigdemont se estar a preparar para validar os resultados do referendo de autodeterminação e declarar a independência da Catalunha.

A Mesa e a reunião de líderes parlamentares reúnem-se a partir das 15:30 (14:30 de Lisboa) para decidir se aceitam este pedido de comparência do presidente do governo regional e estabelecer a hora exata que vai ter lugar.

Ao contrário do que aconteceu anteriormente, o pedido de comparecência enviado agora por Puigdemont não faz agora qualquer menção à lei do referendo, suspendida pelo Tribunal Constitucional, nem à consulta popular de 01 de outubro passado.

O chefe do Governo regional solicita apenas que pretende dirigir-se à assembleia para “informar sobre a situação política atual” sem mencionar uma eventual declaração de independência.

O Estado espanhol tem tentado através de todos os mecanismos jurídicos que tem à sua disposição impedir que a Generalitat tome medidas a favor da secessão da Catalunha ou que Puigdemont possa declarar a independência da região.

A Espanha está a viver uma das suas maiores crises políticas de sempre depois da transição democrática iniciada em 1977.

O governo regional da Catalunha anunciou na madrugada de segunda-feira passada que 90% dos catalães votaram a favor da independência no referendo do dia anterior.

A consulta popular foi convocada pela Generalitat, dominada pelos separatistas e boicotada pelos unionistas, tendo o Estado espanhol, nomeadamente o Tribunal Constitucional, declarado que a consulta era ilegal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catalunha

Não é independente quem quer

Jorge Pereira da Silva
196

No actual quadro, que Estados poderão reconhecer a Catalunha como um Estado independente? Se excluirmos porventura alguns Estados párias, a resposta é simples: nenhum. Vale a pena perceber porquê.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site