Facebook

Facebook lança ferramenta de combate a notícias falsas

111

Facebook lança nos Estados Unidos funcionalidade para dar mais contexto a notícias partilhadas. Direccionando para sites como a Wikipédia, é a forma da empresa combater as notícias falsas.

A funcionalidade tem como propósito sensibilizar os utilizadores a acederem mais informação sobre as notícias que partilham.

AFP/Getty Images

O Facebook, lançou uma nova funcionalidade para combater as notícias falsas. Ainda em fase de testes nos Estados Unidos da América, a opção da rede social foi adicionar um pequeno “i” ao pé das notícias partilhadas nos feed. Ao clicar, os utilizadores são redirecionados para fontes como a Wikipédia e agências de notícias que “oferecem às pessoas na plataforma mais contexto sobre os artigos”, diz o Facebook em comunicado. A funcionalidade foi explicada num vídeo partilhado na passada quinta-feira.

Article Context

Posted by Facebook on Wednesday, October 4, 2017

A rede social fundada por Mark Zuckerberg tem estado debaixo de fogo quanto ao papel que tem tido na propagação de notícias falsas. O Facebook chegou a publicitar várias medidas para conter esse fenómeno cada vez mais comum e com maior impacto na Internet, mas não acabaram com o as fake news. Ainda não há informações sobre quando a funcionalidade chegará a Portugal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus
352

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

Presidente Trump

As semelhanças entre Obama e Trump

João Marques de Almeida

A eleição de Trump foi a derrota das elites bem pensantes e do establishment dos media, que prefere escrever para os seus egos e os seus pares em vez de tentar entender o que se está a passar nos EUA.

Vladimir Putin

Síria: não há forma de lavar a hipocrisia 

José Milhazes

Lavrov apoiou a acção turca porque os ataques visam curdos e outras forças sírias apoiadas pelos EUA. Não é difícil imaginar o regozijo reinante no Kremlin face à luta entre parceiros da NATO na Síria

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site