Iémen

ONU inclui coligação saudita em “lista negra” por matar crianças no Iémen

Há um ano, as Nações Unidas decidiram não incluir a coligação saudita no Iémen nesta lista. Agora, surge junto de outras partes do conflito iemenita, bem como grupos armados e terroristas.

Dados da ONU dizem que pelo menos 1340 crianças morreram ou sofreram mutilações no Iémen em 2016

YAHYA ARHAB/EPA

A ONU incluiu a coligação liderada pela Arábia Saudita no Iémen na “lista negra” que elabora anualmente para identificar as partes de conflitos acusadas de matar e ferir crianças.

Há um ano, a organização tinha decidido não incluir as forças sauditas nessa lista devido a pressões que recebeu por parte de Riade, reconheceu o então secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

A coligação liderada pela Arábia Saudita surge agora incluída na lista, juntamente com outras partes do conflito iemenita e grupos armados e terroristas que intervêm noutras guerras em diferentes países.

A lista está dividida em duas partes: uma com os que não quiseram tomar medidas para melhorar a proteção dos menores e outra com aqueles que o fizeram.

A coligação saudita aparece entre os segundos, com as Nações Unidas a destacarem que receberam informação sobre alterações nas regras dos confrontos e sobre a criação de uma equipa encarregada de rever todos os incidentes com as vítimas civis e identificar correções.

Além disso, refere que a Arábia Saudita criou uma unidade de proteção de menores no quartel geral da coligação.

Segundo o secretário-geral da ONU, António Guterres, as alterações introduzidas este ano no formato do relatório refletem uma maior cooperação das Nações Unidas com as partes implicadas, o que deveria levar a uma melhor proteção das crianças nas guerras.

O objetivo deste relatório não é apenas aumentar a consciencialização sobre as violações dos direitos das crianças, mas também promover medidas que possam diminuir o trágico sofrimento dos meninos nos conflitos”, disse, através do seu porta-voz, Stéphane Dujarric.

A “lista negra”, no entanto, ameaça criar um novo episódio de tensão entre a organização e o país árabe, cujo embaixador anunciou uma conferência de imprensa para esta sexta-feira.

Segundo a ONU, pelo menos 1.340 menores morreram ou sofreram mutilações no âmbito da guerra no Iémen durante o ano de 2016.

O relatório das Nações Unidas denuncia também os ataques contra as crianças em muitos outros conflitos, desde o Afeganistão à República Democrática do Congo, passando pelo Iraque, Somália ou Síria.

Segundo o texto, em 2016 verificaram-se em 20 países mais de 4.000 violações cometidas por forças governamentais e mais de 11.500 por parte de grupos armados não estatais.

Estes números incluem, além de ataques, o recrutamento de menores, abusos sexuais ou sequestros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site