Estados Unidos da América

Tratado de Proibição de Armas Nucleares “não tornará o mundo mais pacífico”

Os Estados Unidos "não assinarão" o Tratado de Proibição de Armas Nucleares defendido pela organização laureada com o prémio Nobel da Paz.

As declarações surgem no meio do confronto retórico com a Coreia do Norte

JIM HOLLANDER/EPA

Os Estados Unidos “não assinarão” o Tratado de Proibição de Armas Nucleares defendido pela organização laureada com o prémio Nobel da Paz, mas reafirmaram esta sexta-feira o seu compromisso em “criar as condições para um desarmamento nuclear”.

“Este tratado não tornará o mundo mais pacífico, não conseguirá que seja destruída nem uma arma nuclear e não reforçará a segurança de qualquer Estado”, declarou um porta-voz do departamento de Estado norte-americano, citado pela agência de notícias francesa AFP.

Embora o texto proposto pela Campanha Internacional para a Abolição de Armas Nucleares (ICAN) tenha já sido assinado, em julho deste ano, por 122 Estados, e considerado pela comunidade internacional “um tratado histórico”, o porta-voz sublinhou que ele não é apoiado por nenhum dos nove países detentores da bomba atómica.

O Comité Nobel norueguês baseou a decisão no trabalho feito pela ICAN – uma coligação internacional de organizações não-governamentais – no sentido da eliminação de armamento nuclear no mundo, numa altura em que a questão está no centro de tensões internacionais dos Estados Unidos com o Irão e com a Coreia do Norte.

Em relação à Coreia do Norte, a espiral dos ataques verbais de Washington em reação a testes nucleares e balísticos de Pyongyang demonstra que a estratégia do Presidente norte-americano, Donald Trump, não passa por assinar tratados de não proliferação nuclear.

A reação dos Estados Unidos ao anúncio do laureado com o Nobel da Paz frisa o alcance essencialmente simbólico do tratado, quando Trump se prepara também para, a 15 de outubro, ir dizer ao Congresso que o Irão “não está a respeitar o espírito do acordo” sobre o seu programa nuclear, concluído em 2015 com seis potências internacionais (Estados Unidos, China, Rússia, Reino Unido, Alemanha e França).

As restantes potências consideram que Teerão está a cumprir o acordo, que submete o país a um regime de vigilância apertada das suas instalações nucleares para garantir a natureza exclusivamente pacífica do seu programa nuclear, em troca do levantamento progressivo das sanções económicas que lhe foram impostas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site