Prémio Nobel

UE felicita Nobel da paz em defesa do desarmamento nuclear

A chefe da diplomacia da União Europeia considerou a atribuição do prémio Nobel da paz à campanha antinuclear ICAN uma defesa do desarmamento e da não-proliferação de armas nucleares.

DONDI TAWATAO / POOL/EPA

A chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, considerou, esta sexta-feira, a atribuição do prémio Nobel da paz à campanha antinuclear ICAN uma defesa do desarmamento e da não-proliferação de armas nucleares.

“Enquanto o mundo é confrontado com novos testes nucleares e o risco de uma crise nuclear, a atribuição, hoje, do prémio Nobel da paz, à Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares (ICAN, em inglês) é um forte apelo para fazer da não-proliferação e do desarmamento um objetivo para toda a comunidade internacional, o caminho para assegurar a paz e a segurança a longo prazo”, disse Mogherini, em comunicado.

A UE partilha o compromisso de se chegar a um mundo livre de armas nucleares e prosseguiremos o nosso trabalho diário em favor da não-proliferação e do desarmamento com os nossos parceiros em todo o mundo”, salientou também.

O prémio Nobel da Paz foi hoje atribuído à ICAN informou o Comité Nobel norueguês, que baseou a decisão pelo trabalho feito para a eliminação de armamento nuclear no mundo.

O tema está no centro de tensões internacionais, nomeadamente no Irão e Coreia do Norte, tendo Mogherini sublinhado ainda que a UE “procura uma via política pacífica para a desnuclearização da península da Coreia” e ainda garantir que “o acordo com o Irão é totalmente aplicado por todas as partes”.

A ICAN sucede ao Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, distinguido no ano passado pelos seus esforços na restauração da paz na Colômbia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Do Nobel, da racionalidade e da moralidade

João Pires da Cruz
164

O ecossistema que usa expressões como “especuladores da economia de casino” ou “fundos abutres” assenta num puritanismo antieconómico e em ideologias com 150 anos que há 149 que se sabe serem erradas.

Economia

Richard Thaler e o Estado como senhorio público

José Manuel Moreira e André Azevedo Alves
164

Trata-se de revelar a premissa omissa na agenda progressista: a noção de que o Estado se encontra investido da autoridade de um senhorio público com inquestionável poder de domínio sobre a sociedade.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site