Inteligência Artificial

Inteligência artificial “ameaça existência” do jornalismo, revela estudo

O estudo debruça-se sobre as organizações que já utilizam a inteligência artificial para escrever artigos a partir, por exemplo, de dados como os resultados desportivos e informações financeiras.

O mundo "do jornalismo não participará ativamente na constituição do "ecossistema da Inteligência Artificial", salienta o estudo

MÁRIO CRUZ/LUSA

A inteligência artificial já entrou no mundo do jornalismo e promete transformar o setor, constituindo “uma ameaça à sua existência“, revela este sábado um estudo do Instituto Futuro Hoje.

O estudo debruça-se sobre as organizações que já utilizam a inteligência artificial para escrever artigos a partir, por exemplo, de dados como os resultados desportivos e informações financeiras.

O desenvolvimento de processos automatizados irá, “num futuro não muito distante”, gerar, sem a intervenção dos jornalistas, artigos que não se ficarão apenas pelos dados, mas que gerarão uma análise, sublinha o trabalho.

Para este instituto, criado por Amy Webb, especialista em tendências no domínio das tecnologias emergentes, a ameaça mais preocupante e grave terá a ver com a evolução da relação entre o indivíduo e a tecnologia.

Segundo as previsões do instituto, em 2023, metade da interação entre os indivíduos e os computadores será feita através de voz.

O assistente de voz, quer se trate de Alexa (Amazon), Siri (Apple), Cortana (Microsoft) ou do Assistente (Google), é a “manifestação mais visível” desta tendência, salienta o estudo.

Os autores acreditam, portanto, que o modo como os meios de comunicação social se posicionarem sobre este novo canal de comunicação será crucial para o seu futuro.

Para o instituto, a emergência da Inteligência Artificial “constitui uma ameaça existencial para o futuro do jornalismo” se os órgãos de comunicação social não capturarem o assunto.

Se certos órgãos de comunicação social não iniciaram experiências com o Alexa e o Google Home, o mundo “do jornalismo não participará ativamente na constituição do “ecossistema da Inteligência Artificial”, salienta o estudo.

“Os meios de comunicação são clientes, não contribuem de forma significativa”, insistem os autores do estudo que alerta para o facto de, além da inteligência artificial, as máquinas vão também “mudar significativamente” muitas das práticas jornalísticas nos próximos anos.

Para o instituto, os editores e as organizações profissionais devem fazer parcerias promovendo a colaboração com as experiências de inovação e desenvolvimento dos gigantes da internet.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site