Catalunha

Mariano Rajoy: “O Governo vai fazer tudo para impedir que qualquer declaração de independência se concretize”

Ao jornal El País, Mariano Rajoy diz que "o Governo vai impedir que qualquer declaração de independência se concretize" e apela aos catalães que se afastem de "extremistas, radicais e da CUP".

"Espanha vai continuar a ser Espanha, e vai continuar a sê-lo durante muito tempo", afirma Mariano Rajoy

Emilio Naranjo/EPA

O presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, diz que “Espanha vai continuar a ser Espanha, e vai continuar a sê-lo durante muito tempo“, afirmando perentoriamente que “o Governo vai impedir que qualquer declaração de independência se concretize”.

Numa entrevista ao jornal espanhol El País, que será revelada na íntegra na edição impressa deste domingo, Mariano Rajoy apela também ao “catalanismo pactista e moderado” para que se afaste de “extremistas, radicais e da CUP [Candidatura de Unidade Popular, partido independentista da Catalunha]”.

As declarações de Rajoy surgem a três dias de o presidente do governo regional Catalão, Carles Puigdemont, se dirigir ao parlamento regional para uma sessão em que Madrid teme que possa ser declarada unilateralmente a independência catalã.

Na última semana, o Tribunal Constitucional de Espanha ordenou a suspensão de uma sessão do parlamento regional catalão agendada para segunda-feira, argumentando que “declarar a independência seria uma quebra da Constituição e uma aniquilação dos direitos dos deputados“. Puigdemont pediu então uma nova audiência no parlamento para o dia seguinte.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Presidente Trump

As semelhanças entre Obama e Trump

João Marques de Almeida

A eleição de Trump foi a derrota das elites bem pensantes e do establishment dos media, que prefere escrever para os seus egos e os seus pares em vez de tentar entender o que se está a passar nos EUA.

Vladimir Putin

Síria: não há forma de lavar a hipocrisia 

José Milhazes

Lavrov apoiou a acção turca porque os ataques visam curdos e outras forças sírias apoiadas pelos EUA. Não é difícil imaginar o regozijo reinante no Kremlin face à luta entre parceiros da NATO na Síria

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site