Açores

Efeitos da tempestade tropical Ophelia poderão sentir-se nos Açores a partir de sábado

107

Num comunicado no Facebook, o IPMA afirma que há uma probabilidade de 15% a 20% de S. Miguel e Sta. Maria sentirem efeitos a partir de sábado. Espera-se que a Ophelia passe a furacão na quarta-feira.

O IPMA prevê que a tempestade comece a aproximar-se do arquipélago a partir de quinta-feira

NOAA / HANDOUT/EPA

Os efeitos da tempestade tropical Ophelia poderão começar a ser sentidos no arquipélago dos Açores a partir de sábado, anunciou esta terça-feira o Centro de Previsão e Vigilância Meteorológica dos Açores do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Pela avaliação dos resultados dos diferentes modelos meteorológicos, existe uma probabilidade de entre cinco e 10% de as ilhas do grupo central (Faial, Pico, São Jorge, Graciosa e Terceira) e de 15 a 20% de as ilhas do grupo oriental (São Miguel e Santa Maria) começarem a sentir efeitos da tempestade a partir de sábado”, lê-se num comunicado disponibilizado na página do Facebook da delegação regional dos Açores do IPMA.

Segundo este comunicado, a probabilidade de as ilhas das Flores e do Corvo, grupo ocidental dos Açores, serem afetadas “pelo ciclone é inferior a 5%”.

O Centro de Previsão e Vigilância Meteorológica dos Açores adianta que às 03:00 locais (mais uma hora em Lisboa), “o centro da tempestade tropical Ophelia localizava-se a 1.260 quilómetros a oeste/sudoeste” da região, continuando a aumentar a intensidade do vento.

O vento médio era de 85 quilómetros/hora e as rajadas na ordem dos 100 quilómetros/hora. “O ciclone Ophelia está a deslocar-se para nordeste a 11 quilómetros/hora e espera-se que continue a intensificar-se nas próximas horas atingindo a categoria de furacão na quarta-feira”, adianta.

Já a partir do final desta terça-feira, “o ciclone deverá deslocar-se para sudeste, pelo que deverá permanecer a sul da região nos próximos dias”.

Contudo, a partir de quinta-feira ao final do dia, “prevê-se que a tempestade comece a deslocar-se lentamente para nordeste, aproximando-se assim do arquipélago”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site