Agricultura

Ministério da Agricultura avança com apoio à alimentação animal na próxima semana devido à seca

Luís Capoulas Santos anunciou que o governo vai avançar na próxima semana com apoio à alimentação animal para atenuar os efeitos da seca. O ministro pediu mais "apoio solidário da União Europeia".

O comissário europeu com a pasta da Agricultura disse que "enquanto a chuva não chega" Bruxelas está disponível para ajudar

NUNO VEIGA/LUSA

O Governo vai avançar no início da próxima semana com medidas adicionais de apoio à alimentação animal para mitigar os efeitos da seca, disse esta quinta-feira o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos.

Na segunda-feira, o ministro sensibilizou os seus parceiros europeus no Luxemburgo para a necessidade de mais “apoio solidário da União Europeia” para Portugal enfrentar o problema da seca, que atinge particularmente os produtores pecuários.

Esta quinta-feira, na primeira Cimeira de Inovação na Agricultura (Agri Innovation Summit 2007), que decorreu em Oeiras, e ao lado do Comissão Europeu com a pasta da Agricultura, Phil Hogan, o ministro português considerou que Bruxelas “está suficientemente sensibilizada”, mas que não está fechado nenhum apoio europeu adicional.

Independentemente disso [o apoio europeu], o Ministério da Agricultura avançará nos próximos dias com algumas medidas adicionais de apoio. Não vou antecipar, porque estão em preparação, temos de consultar os parceiros, mas em muitos poucos dias, no início da próxima semana, estaremos em condições de anunciar alguns apoios direcionados quer para a questão da garantia do abeberamento dos animais, quer para a alimentação animal”, afirmou Capoulas Santos aos jornalistas no final da sua intervenção em Oeiras.

O ministro da Agricultura considerou que a Comissão Europeia “tem sido excecional” com Portugal, nas últimas crises relacionadas com o leite, os suínos e com os incêndios florestais, recordando que, em agosto, autorizou o Governo português “a antecipar 70% dos pagamentos, o que será feito antes do final do mês e permitirá transferir para os agricultores cerca de 400 milhões de euros de apoio”.

“Mas obviamente que a situação tem vindo progressivamente a agravar-se e o problema que se coloca agora com mais premência é a questão da alimentação animal, uma vez que parte dos ‘stocks’ que tinham sido reservados para o inverno estão a esgotar-se, houve perda de pastagens nas áreas ardidas e a seca tem sido inclemente”, disse o governante.

“É por isso que o Governo está a preparar algumas medidas e espera obter algum apoio da Comissão Europeia e do senhor comissário – que não veio aqui para fechar nenhuma negociação -, mas a Comissão está suficientemente sensibilizada”, considerou.

Por sua vez, o comissário europeu com a pasta da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Phil Hogan, disse aos jornalistas que “enquanto a chuva não chega” Bruxelas está disponível “para trabalhar com o Governo português da melhor forma possível”.

Isso pode incluir, de acordo com Phil Hogan, “encontrar recursos financeiros adicionais no orçamento europeu para ajudar as populações nas zonas rurais”, que podem ser direcionados para a alimentação animal no inverno.

Além disso, acrescentou o comissário europeu, Bruxelas tem trabalhado conjuntamente para “aumentar as medidas de desenvolvimento rural e o adiantamento de pagamentos a pessoas afetadas pela seca e pelos fogos florestais”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

A estética da paisagem e a poesia da natureza

António Covas

Os agricultores foram convencidos de que eram uns labregos. A política foi de desprestígio do mundo rural com base a ideia de que era inferior ao mundo urbano. Vale pois a pena evocar Ribeiro Telles. 

Incêndios

O inferno passou por aqui!

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Não basta que um governante não roube, nem mate, porque também por omissão pode faltar gravemente aos seus deveres, se não fizer o que devia ter feito.

Incêndios

O dr. Costa é mau demais para ser mentira

Alberto Gonçalves
354

O que não faz sentido é que o dr. Costa se julgue no direito de governar pessoas minimamente saudáveis ou de conviver com elas. Como não faz sentido que esta apatia com fronteiras se suponha um país.

ERC

O Imperador vai nu

Luís Reis
278

Carlos Magno usou a majestática influência que o seu nome contém para decidir sozinho em tema da maior gravidade. Infelizmente não o fez como um Carolus Magnus, antes como um autêntico Carolus Parvus.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site