Política

Os apoios esperados no PSD: Manuela Ferreira Leite com Rui Rio, Miguel Relvas com Santana Lopes

199

Contagem de espingardas no PSD: no comentário na TVI, Manuela Ferreira Leite explicou o porquê de preferir Rui Rio; em entrevista à SIC, Miguel Relvas fez o mesmo em relação a Santana Lopes.

ANTONIO COTRIM/LUSA

Entre a Operação Marquês e o Orçamento do Estado, a corrida à liderança do PSD acabou por ficar “espremida” em termos de atualidade, mas nem por isso esquecida e, esta noite, houve mais capítulos para a contagem de espingardas que se vai fazendo no partido à sucessão de Pedro Passos Coelho: Manuela Ferreira Leite, antiga líder dos sociais democratas, declarou o apoio a Rui Rio; Miguel Relvas, ex-ministro e número dois do elenco, prefere Santana Lopes.

“Foi uma surpresa porque não era previsível, tinha sido reconduzido há menos de um ano numa instituição muito importante [Santa Casa da Misericórdia]. Já perdeu várias vezes, o que mostra o seu instinto lutador, mas se me tivesse perguntado há oito dias não esperava. Em relação a Rui Rio, não foi inesperado, posso dizer que fez um discurso de apresentação muitíssimo bom, marcou bem o que quer para o partido e transmitiu a ideia de unir as pessoas. Quando olho para os dois candidatos, não é fácil aparecer um novo candidato”, destacou Manuela Ferreira Leite no habitual espaço comentário na TVI 24.

“Estamos a eleger o candidato a primeiro-ministro, nas próximas eleições legislativas. Rui Rio tem bastantes mais condições, também pelo percurso profissional, uma credibilidade superior e Santana Lopes, quando avançou, José Sócrates teve maioria. Mesmo admitindo que Santana Lopes tem mais popularidade entre os militantes do PSD do que Rui Rio, tenho poucas dúvidas de quem é que tem uma imagem mais sólida perante o país para desempenhar o papel de primeiro-ministro”, acrescentou a ex-líder dos sociais democratas.

“Neste cenário, a minha intuição vai no sentido de que Pedro Santana Lopes terá um resultado ganhador e positivo nas próximas eleições e eu, como militante, se este for o entendimento dentro do quadro que está apresentado, naturalmente que votarei nele”, afirmou Miguel Relvas em entrevista à SIC Notícias.

“Não quero o PSD no Bloco Central, não quero a regionalização no meu país, que considero que é um fator de divisão e distorção”, completou o antigo número 2 de Passos Coelho, que referiu ainda não ter vontade de regressar à vida política ativa. “Ressentimentos? Não, nada… Com Passos Coelho? Somos amigos há 40 anos, tal como sou amigo há 40 anos de Rui Rio e sou amigo há 40 anos de Santana Lopes. Não há ressentimento nenhum”, assegurou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

A moção e a censura de um país

José Pinto

A Constituição não limita o direito à censura por parte dos cidadãos. É a essa censura – e revolta indignada - que nenhum Governo pode fugir. Face à censura coletiva, a discussão da moção nada adianta

Incêndios

O fogo e o papel de Portugal

José Barbedo

Enquanto a ocorrência de fogos faz parte do ciclo natural das florestas, a escala dos incêndios que tem ocorrido ao longo das últimas duas décadas era totalmente desconhecida no passado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site