Santuário de Fátima

Fátima. Bispo António Marto pede ajuda divina em prol da paz no mundo

O bispo de Leiria-Fátima, António Marto, lembrou a mensagem pelo fim da guerra transmitida há 100 anos aos pastorinhos, pedindo a Nossa Senhora que interceda em defesa da paz no mundo.

Francisco deixou votos de que a oração possa "demover as almas mais rebeldes"

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O bispo de Leiria-Fátima, António Marto, lembrou esta quinta-feira a mensagem pelo fim da guerra transmitida há 100 anos aos pastorinhos, pedindo a Nossa Senhora que interceda, hoje como então, em defesa da paz no mundo.

“Foi a recomendação que Nossa Senhora deixou aqui em Fátima há 100 anos. Aos três pastorinhos, Lúcia, Jacinta e Francisco, recomendou com insistência que se rezasse o rosário todos os dias, para obter o fim da guerra e alcançar a paz”, disse António Marto na homilia da Peregrinação Internacional Aniversária de outubro que começou esta quinta-feira no recinto da Cova da Iria.

Na homilia, o bispo de Leiria-Fátima apelidou Nossa Senhora de “rainha da paz” e “advogada” dos povos.

Hoje, queremos confiar à intercessão da Virgem Mãe, Nossa Senhora do Rosário de Fátima, os nossos anseios mais íntimos, as esperanças e as dores da humanidade ferida, os problemas do mundo e, de modo particular, a grande causa da paz entre os povos”, adiantou António Marto.

Antes, na saudação aos peregrinos proferida no início das celebrações religiosas da Peregrinação Internacional Aniversária de outubro, que marca o encerramento do Centenário das Aparições e decorre até sexta-feira, António Marto lembrou a mensagem do papa Francisco, proferida quarta-feira no Vaticano, para que se reze o rosário pela paz no mundo.

Na próxima sexta-feira, 13 de outubro, encerra-se o centenário das últimas aparições marianas em Fátima. Com o olhar voltado para a Mãe do Senhor e Rainha das Missões, convido todos, especialmente neste mês de outubro, a rezar o Santo Rosário pelas intenções da paz no mundo”, disse o papa Francisco, numa alocução na praça de São Pedro, reproduzida pela página do Santuário de Fátima.

De acordo com a mesma fonte, Francisco deixou votos de que a oração possa “demover as almas mais rebeldes”, para que possam banir “dos seus corações, palavras e gestos, a violência, e construir comunidades não-violentas, que cuidem da casa comum”.

“Nada é impossível, se nos dirigimos a Deus na oração. Todos podem ser artesãos de paz”, acrescentou o papa, referindo a mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2017.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sociedade

Um raríssimo Portugal

Paulo de Almeida Sande

Somos o povo acomodado, que exprime a angústia latente da bondade resignada, convencido de estar destinado à subalternidade, um povo submisso, que emula o estrangeiro e desdenha o nacional. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site