Incêndios

Fogos nos distritos de Viseu e Braga são a maior preocupação

Cinco incêndios estão esta noite ativos no país, com os fogos que lavram em São Pedro do Sul e Castro de Aire, Viseu, e em Leitões, Braga, a serem as maiores preocupações.

Em Viseu, o fogo com três frentes ativas era combatido por 218 operacionais

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cinco incêndios estão esta noite ativos no país, com os fogos que lavram em São Pedro do Sul e Castro de Aire, Viseu, e em Leitões, Braga, a serem as maiores preocupações, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Temos cinco incêndios ativos e três deles requerem mais preocupação, que são dois no distrito de Viseu e um em Braga/Guimarães. Reforçámos os meios ao fim do dia para tentar que sejam resolvidos durante a noite, com o cair da humidade”, disse à Lusa Carlos Pereira, da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), cerca das 23h30.

Segundo o mesmo responsável, em São Pedro do Sul, Viseu, as chamas, com uma frente ativa, estavam a ser combatidas por 176 operacionais e 56 viaturas, enquanto em Castro de Aire, também Viseu, o fogo, com três frentes ativas, era combatido por 218 operacionais, apoiados por 63 veículos.

O incêndio que lavra na localidade de Leitão, em Braga/Guimarães, com duas frentes, está a ser combatido por 94 operacionais, com 32 veículos.

Não temos relato de qualquer dano em habitação, nem povoações evacuadas. Existem aldeias onde o incêndio andou por perto, mas não temos relato de qualquer tipo de incidente, nem com bens materiais, nem com residentes das aldeias ou localidades”, afirmou.

Carlos Pereira disse ainda que existe a informação de dois bombeiros feridos, mas que foram considerados ligeiros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

O fogo e o papel de Portugal

José Barbedo

Enquanto a ocorrência de fogos faz parte do ciclo natural das florestas, a escala dos incêndios que tem ocorrido ao longo das últimas duas décadas era totalmente desconhecida no passado.

CDS-PP

A moção e a censura de um país

José Pinto

A Constituição não limita o direito à censura por parte dos cidadãos. É a essa censura – e revolta indignada - que nenhum Governo pode fugir. Face à censura coletiva, a discussão da moção nada adianta

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site