Ambiente

Holanda. Adeus aos combustíveis fósseis até 2030

413

Depois de países como a França, o Reino Unido ou a China, agora é a Holanda a anunciar que vai proibir a venda de automóveis novos a gasolina e a gasóleo. A partir de 2030, adeus combustíveis fósseis.

Autor
  • Francisco António

A Holanda decidiu juntar-se a países como a França, o Reino Unido ou a China, proibindo a comercialização de automóveis novos, movidos a combustíveis fósseis, a partir de 2030.

Esta medida faz parte de uma estratégia mais ampla e a longo termo, segundo divulgou o Governo holandês, que visa levar o país rumo a uma realidade zero emissões, no que aos transportes diz respeito. E que estabelece, desde logo, uma redução de 49% no total das emissões do país, precisamente para 2030.

Além deste objectivo, o Governo holandês declarou ainda pretender investir uma verba a rondar os 4 mil milhões de euros, de modo a garantir a transição para energias mais limpas, além de estar a preparar novos impostos sobre a energia, que ajudem a promover uma utilização mais ecológica da mesma.

Quer comprar um diesel? Já há 11 cidades em que não entram

Ao mesmo tempo, a Holanda espera conseguir encerrar as suas fábricas de carvão até 2030, ao passo que as novas habitações deixarão de estar ligadas à rede de gás. E o Executivo prevê igualmente um investimento de 100 milhões de euros numa infraestrutura de bicicletas.

Actualmente com uma venda de veículos híbridos que não ultrapassa a média de um carro em cada 50 viaturas vendidas, segundo o NLTimes, a Holanda necessita agora, para que esta estratégia possa ser levada até ao fim, de um pacto de regime entre as diferentes forças políticas, que faça com que todos se comprometam com a sua realização. Algo que, aliás, também será necessário em França, por exemplo, onde o actual Executivo decidiu seguir caminho idêntico.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site