Timor-Leste

Primeiro-ministro timorense não entende críticas a programas que continuam os do anterior Governo

Mari Alkatiri disse não perceber as críticas do maior partido da oposição, o CNRT, ao programa do Governo, que visam políticas que continuam as do anterior Governo.

ANTONIO DASIPARU/EPA

O primeiro-ministro timorense disse esta segunda-feira não perceber as críticas do maior partido da oposição, o CNRT, ao programa do Governo, que visam políticas que continuam as do anterior Governo ou relativas a “problemas herdados” do anterior executivo.

“Eu ainda só estou no Governo há um mês. Mas estão a levantar problemas que estamos a herdar”, disse à Lusa, num dos intervalos do debate do Programa do Governo que hoje começou no Parlamento Nacional.

“Eu não estou a entender até onde querem chegar até porque eles próprios reconhecem que estamos a continuar programas do Governo anterior. Qual é então o problema”, questionou.

Recorde-se que o VII Governo, minoritário, é apoiado apenas pelas bancadas da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) e do Partido Democrático (PD) – um total de 30 deputados no Parlamento Nacional de 65 lugares.

As três forças da oposição – Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), Partido Libertação Popular (PLP) e Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) – controlam 35 deputados e uniram-se na semana passada numa Aliança de Maioria Parlamentar (AMP) que quer ser alternativa de Governo se o programa do executivo for chumbado e o Governo cair.

“Vieram mesmo para ter esta postura. Não sei se será mesmo de derrubar mas de querer baralhar”, afirmou Alkatiri.

Instado a comentar esta questão, o deputado do CNRT Dionísio Babo – que é também responsável da Comissão Diretiva Nacional (CDN) do partido – disse à Lusa que “não são críticas ao passado” mas sim preocupações “sobre o que vai a acontecer no futuro” porque “não há medidas concretas no programa que foi apresentada”.

Questionado sobre se há hipótese de o CNRT não bloquear o programa, Babo disse que “ainda se vai debater” a questão.

Durante várias intervenções desde a manhã desta segunda-feira, deputados dos partidos da oposição deixaram críticas a vários elementos do programa, desde o que definiram como falta de transparência à questão de género, de temas económicos à aposta na ampliação do conceito de economia social de mercado.

Muitas das intervenções, especialmente de deputados do CNRT, questionaram programas e projetos que o VII Governo explica serem continuidade de programas dos executivos anteriores que eram liderados pelo CNRT.

Um dos casos foi a criação da zona especial de economia social de mercado em Oecusse – que foi liderada pelo agora primeiro-ministro Mari Alkatiri – e que nasceu como política do Governo anterior, sustentada numa lei aprovada por unanimidade no anterior parlamento.

“Fazem críticas à política de economia social de mercado. Mas a lei que criou a ZEESM foi aprovada por unanimidade no Parlamento em 2014. Eu não obriguei o irmão Xanana a criar a ZEESM”, disse Alkatiri.

O chefe do Governo respondeu a cada um dos aspetos levantados pelos deputados, que questionaram o executivo sobre aspetos tão diversos como a política de saúde, a fiscalidade, a transparência e até a questão dos sucos, a divisão administrativa que em Timor-Leste é equivalente a freguesia.

A oposição acusou repetidamente o Governo de “falta de coerência e de consistência” no texto do seu programa, crítica sobre a qual Alkatiri pediu mais detalhes e informação, reiterando a vontade de estar aberto a ouvir sugestões para melhorar o texto.

A lei timorense prevê que o programa do Governo seja debatido ao longo de cinco dias consecutivos e só seja votado caso o Governo apresente um voto de confiança ou a oposição apresentar uma moção de rejeição.

De referir que os programas dos últimos dois Governos não foram alvo de qualquer votação, tendo sido debatidos mas não votados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site