Venda do Novo Banco

Venda do Novo Banco à Lone Star concluída na quarta-feira

A venda do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star será concluída na quarta-feira, disse à Lusa fonte oficial do Banco de Portugal.

A conclusão da operação será assinalada numa cerimónia que decorrerá às 11h30 no Banco de Portugal

TIAGO PETINGA/EPA

A venda do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star será concluída na quarta-feira, disse à Lusa fonte oficial do Banco de Portugal.

A conclusão da operação será assinalada numa cerimónia que decorrerá às 11h30 no Banco de Portugal, em Lisboa.

Na segunda-feira, o Novo Banco aprovou, em assembleia-geral, um aumento de capital de 750 milhões de euros que será assegurado pelo fundo norte-americano Lone Star.

Quando foi assinado, em 31 de março, o contrato de promessa de compra e venda do Novo Banco entre o Fundo de Resolução e a Lone Star, o fundo norte-americano acordou injetar 1.000 milhões de euros no banco para o capitalizar, dos quais 750 milhões entrarão quando o negócio for concretizado e os outros 250 milhões até 2020.

Ao abrigo deste contrato, serão alienados 75% do Novo Banco, mantendo o Fundo de Resolução bancário 25%.

No dia 11 de outubro, a Comissão Europeia aprovou a venda do Novo Banco à Lone Star e, no mesmo dia, o Ministério das Finanças disse que a venda ao fundo norte-americano seria “concluída nos próximos dias”.

Em agosto de 2014, o Banco de Portugal decidiu pela resolução do Banco Espírito Santo (BES) e a transferência de certos ativos do BES para um banco de transição, o Novo Banco, detido pelo Fundo de Resolução bancário (entidade pertencente às instituições financeiras que operam em Portugal, mas cuja gestão é feita pelo Banco de Portugal e que consolida nas contas públicas).

Desde a sua criação e até junho de 2017, últimos dados disponíveis, o Novo Banco acumulou prejuízos de 2.527 milhões de euros.

Os últimos resultados são do primeiro semestre deste ano, quando teve resultados negativos de 290,3 milhões de euros, uma melhoria face aos 362,6 milhões de euros negativos entre janeiro e junho do ano passado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site