Liga dos Campeões

A marca de Ronaldo, a dedicatória de Guardiola, 31 golos em oito jogos: o resumo da jornada da Champions

Jornada louca da Champions com uma média de quatro golos por jogo teve o tento da ordem de Ronaldo, uma dedicatória "política" de Guardiola e goleadas das antigas do Liverpool e do Spartak Moscovo.

Ronaldo marcou, Harry Kane também, mas os guarda-redes Navas e Llloris também brilharam no Real-Tottenham

Getty Images

Madrid recebia esta noite a cimeira de dois dos maiores goleadores europeus. Que marcaram, primeiro Harry Kane (de calcanhar), depois Cristiano Ronaldo (de penálti). No final, cumprimentaram-se e o inglês voltou a deixar muitos elogios ao português. A ponto de já se falar na possibilidade de jogarem juntos na próxima temporada. No entanto, o empate a uma bola entre Real Madrid e Tottenham acabou por ter como principais protagonistas os guarda-redes de ambos os conjuntos, Navas e Lloris, que evitaram também aqui uma chuva de golos com defesas espetaculares.

Ainda assim, e olhando para as contas do grupo H da Champions, a igualdade acabou por ser um mal menor para o bicampeão europeu: na outra partida do grupo, o B. Dortmund desperdiçou dois pontos na deslocação a Nicósia para defrontar o Apoel, mantendo assim os seis pontos de desvantagem para Real e Tottenham na classificação.

Mais folgado está o Manchester City que, após vencer por 2-1 na receção ao Nápoles, lidera só com triunfos o grupo F. Sterling e Gabriel Jesus, quase de rajada, marcaram os golos do conjunto inglês (Diawara reduziu de penálti) que teve em Ederson um dos principais destaques, mas o encontro acabou por ficar marcado também pela dedicatória de Pep Guardiola no final aos líderes das duas principais associações independentistas da Catalunha, Jordi Cuixart e Jordi Sanchez, em prisão domiciliária desde segunda-feira à noite por ordem de um juiz de instrução.

“É um bom momento para lhes dedicar a vitória. Não há civismo maior do que as ideias e tanto a Omnium [Cultural] como a ANC [Assembleia Nacional Catalã] têm feito tudo com civismo, expressando as suas ideias, o que queremos. Espero que saiam o mais depressa possível porque é como se um pouco de nós estivesse lá também”, disse. No outro encontro do grupo, o Shakhtar, com um bis de Bernard, ganhou em Roterdão ao Feynoord por 2-1.

No grupo E, a chuva de golos foi completamente “anormal”, com 13 remates certeiros em apenas dois jogos: o Liverpool foi à Eslovénia esmagar o Maribor por claros 7-0, naquela que foi a maior vitória forasteira de uma equipa inglesa na história da Champions League (Salah e Firmino bisaram), ao passo que o Spartak Moscovo goleou o Sevilha por 5-1 com um dos golos apontados pelo ex-benfiquista Melgarejo. Com estes resultados, Liverpool e Spartak lideram com cinco pontos, mas o Sevilha está logo atrás com quatro.

Por fim, e no grupo H, o Besiktas continua a surpreender pela positiva: Falcao ainda adiantou o Mónaco no marcador mas um bis de Tosun deu a vitória ao conjunto turco e reforçou o primeiro lugar com nove pontos, mais quatro do que o RB Leipzig e mais cinco do que o FC Porto, que perdeu esta noite na Red Bull Arena por 3-2.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site