Cinema

E agora, Ramiro, o que vai ser da tua vida? E da nossa?

"Ramiro" é o título do filme de Manuel Mozos que abre a edição deste ano do Doclisboa. Não é um documentário mas é o retrato de um momento, das subtilezas de uma Lisboa que vai desaparecendo.

Autor
  • André Almeida Santos
Mais sobre

A Cervejaria Ramiro tem pessoas à porta por volta das onze da manhã. Por vezes antes. As portas abrem ao meio-dia e a partir daí começa o cenário comum para quem passa regularmente pelo número 1-H da Almirante Reis: aquele pátio forçado no meio da rua torna-se numa sala de espera ao ar livre, com self-service de imperiais durante as doze horas seguintes.

É o dia-a-dia da Cervejaria, a espera é menor do que o número de pessoas sugere e há um sistema de chamadas muito bem montado. A maioria da clientela nos últimos anos faz-se de turistas, contudo, a Ramiro fecha em agosto. É um gesto que ignora tudo em volta, a lógica do negócio, e é também um que mantém um elo com uma Lisboa que está a desaparecer: aquela lembrança de um mês de agosto em que a maior parte dos estabelecimentos estavam fechados.

“Ramiro”, o mais recente filme de Manuel Mozos, que tem a sua estreia na sessão de abertura do Doclisboa (19 de Outubro, Grande Auditório da Culturgest às 21h30) e que depois passará pela Viennale e pelo Festival de Cinema de Sevilha, é descrito como “uma comédia delicada”, não é um filme sobre a cervejaria mas é um retrato dessa Lisboa confortável e naturalmente ordenada (sabe-se lá como e porquê) que está a desaparecer. “Ramiro”, com o mesmo nome da cervejaria, é uma ficção, uma história em volta de um alfarrabista (António Mortágua) que também é um poeta com um livro editado e que está há anos num processo de bloqueio criativo.

A vida de Ramiro é do mais pacato que pode existir. Vive entre a loja, os copos e alguma televisão que consome em casa. À sua volta estão Daniela (Madalena Almeida), uma adolescente, boa aluna, que está grávida, a dona Amélia (Fernanda Neves), avó de Daniela, que sofreu um AVC recentemente, José (Américo Silva), um tipo que passa a vida na loja de Ramiro e que nunca compra livros, Patrícia (Sofia Marques), companheira de copos de Ramiro, com quem flirta recorrentemente e, entre alguns outros, há Alfredo (Vítor Correia), pai de Daniela, que está preso.

Doclisboa 2017: 11 filmes para 11 dias de festival

A dada altura, quando estas e outras personagens estão totalmente integradas na história, é inevitável sentir um clima de telenovela no argumento de Mariana Ricardo e Telmo Churro. Mas é um com as suas próprias regras e sugerido pelos momentos em que Ramiro está no seu sofá a beber do horário nobre da televisão portuguesa.

A caracterização do protagonista é um retrato real da Lisboa atual. Um contacto entre o velho e o novo, entre aquilo que existe e o que aos poucos está a desaparecer. A profissão de alfarrabista é o primeiro dado, fala por si mesmo; o segundo é o modo como dirige a sua loja. É uma rotina, Daniela e José estão frequentemente lá a ajudar, como amigos, José folheia livros, pergunta por preços mas nunca compra. Aliás, Ramiro é dotado de uma certa teimosia militante que, por vezes, o faz ser menos agradável para não vender livros que não quer. Ou a pessoas que não quer.

É uma atitude comum num certo tipo de lojas em Lisboa, num certo tipo de negócios. É uma coisa de velha guarda que, se pode ser irritante, também tem o seu encanto: a atitude de quem parece que está a fazer um favor em vender algo ou prestar um serviço. E à medida que o filme se desenrola há elementos que mostram como isto está a desaparecer: um dos mais marcantes é a carrinha de Ramiro, estacionada eternamente à porta da sua livraria e que um dia tem de sair de lá. Um sinal dos tempos em mudança.

Fora da loja, Ramiro frequenta tascas, gosta das suas imperiais e das suas bifanas. Alguns dos seus amigos também têm profissões que lentamente caem na decadência, como Fernando (Ricardo Aibéo), um tipógrafo. Há um momento em que Ramiro é forçado a procurar um outro sítio para beber copos, uma das suas tascas habituais fechou. Vai para um bar com música, onde a imperial é mais cara e onde não há bifanas: há tapas e bocadillos. Há gente a dançar, jogos, diversão. Há barulho. Numa noite com Fernando este diz que não consegue estar ali. O ruído dos novos sítios é diferente do ruído dos hábitos antigos. Barulho não é só barulho.

O que Mozos diz é que os sítios que fecham, os sítios antigos, também dispersam e isolam as pessoas. Ramiro continua a ir ao sítio dos bocadillos mas não tem companhia. Em “Ramiro” há qualquer coisa de “Ruínas” (2009), também de Mozos, um documentário sobre espaços/edifícios em Portugal que caíram em desuso e foram deixados ao abandono. Deixaram de servir o seu propósito e deles apenas resta a memória, não encontraram espaço no presente para existirem. São provas físicas de como o tempo passa e de como ele nem sempre é justo.

“Ramiro” não é um documentário, nem quer ser, mas faz todo sentido abrir este Doclisboa. A ficção toca numa realidade que está bem presente em Lisboa neste momento. Não são só as lojas, sejam elas históricas ou não, alguns tipos de negócios, que estão a fechar, são as pessoas que nelas trabalham e que as visitam que também estão a desaparecer. “Ramiro” fica como um retrato do presente, um filme que condiciona nos seus 100 minutos a discrição e a subtileza desse desaparecimento. Mais do que “uma comédia delicada” (até porque tem momentos hilariantes), “Ramiro” é uma reflexão corajosa sobre Lisboa, os seus lugares e as suas pessoas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site