Orçamento do Estado

BE apela a discussão de “pacote eficaz” no Orçamento do Estado de resposta aos incêndios

131

A líder bloquista disse que o partido está disponível para a discussão de um pacote de medidas "que junte os levantamentos que estão feitos no território das várias necessidades".

NUNO FOX/LUSA

A coordenadora do BE, Catarina Martins, apelou este sábado a que exista uma “enorme discussão” que leve à convergência de um “pacote eficaz” no Orçamento de Estado para 2018 (OE2018) que responda às necessidades sentidas após os últimos incêndios.

Em declarações aos jornalistas em Vouzela, Catarina Martins disse que o BE está disponível para a discussão de um pacote “que junte os levantamentos que estão feitos no território das várias necessidades”.

No entender do BE, este pacote deverá possibilitar que, de forma integrada, sejam colocados os meios no terreno, “porque a multiplicação de medidas, por bondosas que sejam, mas de uma forma descoordenada, podem não responder às necessidades do país”.

Nada seria mais desastroso do que apresentar medidas que fossem contraditórias entre si”, frisou.

Catarina Martins reiterou ser importante que as medidas já aprovadas estejam rapidamente no terreno, considerando haver condições para que isso aconteça.

“Tem que existir um consenso no país para por os recursos ao serviço do que é preciso. Julgo que ele existe, o Governo tem condições para o fazer, deve fazê-lo, e até tem margem orçamental para o fazer ainda este ano em grande medida”, acrescentou.

Para além “das questões do apoio de emergência imediata às populações” e de questões de fundo como alterar os modelos da Proteção Civil e de defesa da floresta, a líder bloquista apontou como prioridade “manter empregos e capacidade produtiva no interior do país”.

Isto porque “não haverá nenhuma solução que seja capaz de tornar o país seguro se continuarmos a ter abandono do território, despovoamento do interior, e ele acontece onde não há emprego”, justificou.

Este sábado, Catarina Martins ouviu que foram destruídos 300 postos de trabalho diretos em Oliveira de Frades e pelo menos outros 200 em Vouzela, nos setores da indústria, da agricultura e da exploração florestal.

Há uma urgência muito grande em recuperar esta capacidade produtiva para que estes empregos não se percam. Isso passa por vários tipos de apoios”, declarou.

Catarina Martins defendeu ainda a necessidade de ninguém ficar fora dos apoios, contando que foi alertada para a falta de resposta aos prejuízos que os incêndios provocaram na pequena agricultura, que representa “a sobrevivência de tantas famílias”.

Questionada sobre o clima de tensão vivido dos últimos dias entre o Presidente da República e o Governo, a coordenadora do BE desvalorizou o assunto: “Essa matéria não interessa absolutamente nada, não tenho acompanhado essa situação. O que tenho estado é a acompanhar a situação da destruição provocada pelo fogo e a tentar ter os mecanismos para responder às pessoas, reconstruir o país, isso é o que interessa”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site