Chefs

Já pode ter um pouco do Noma em sua casa

O recheio do icónico restaurante de René Redzepi vai a leilão esta quinta-feira, 2 de novembro. Entre as 500 peças à venda existem inúmeras cadeiras, mesas e até facas feitas em Portugal

Cadeiras, mesas, talheres, pratos, copos e um sem fim de outros artefactos que preenchiam o Noma — icónico restaurante do chef René Redzepi, que fica em Copenhaga e fechou no início de 2017 — vão ser postos à venda nesta quinta-feira, 2, através de um leilão organizado pela norte-americana Wright Auctions, sediada em Chicago.

Depois de um redesign feito em 2012 pelo estúdio Space Copenhagen, o restaurante transformou-se num exemplo da sofisticação e minimalismo nórdicos. Redzepi terá escolhido pessoalmente grande parte da louça, mobiliário e talheres, sendo que muitos deles foram produzidos por vários artesãos seus compatriotas… e não só: algumas facas usadas no restaurante foram feitas à mão, pelo ferreiro português Paulo Tuna.

Copos e jarros de vidro da designer Nina Nørgaard, cerâmicas da dupla Aage e Kasper Würtz (que são pai e filho, curiosamente) e clássicos Escandinavos como a célebre cadeira CH46, de Hans Wegner, ou a mesa de seis metros desenhada por Københavns Møbelsnedkeri, compõem a lista de cerca de 500 artigos que estarão à venda esta quinta-feira, a partir das 13h. Os preços podem variar entre os 100$ (cerca de 85€) e os 20.000€ (mais ou menos 17.160€) e o leilão está aberto a possíveis compradores de todo o mundo, basta aceder ao site da leiloeira ou fazer o download da app Wright Auctions.

Já lá vão mais de 10 anos desde que o mundo ganhou uma nova Meca gastronómica: o Noma, do chef René Redzepi, que inaugurou em 2003 e que em pouco tempo se transformou num polo incontornável de inovação culinária. A casa mãe pode ter fechado portas, mas isso não fez com que o chef baixasse os braços: Redzepi abriu uma espécie de versão pop-up do Noma no México, inaugurou um novo projeto chamado Barr e prepara-se para dar a conhecer o Noma 2.0, que deverá abrir ao público algures no início de 2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site