Orçamento do Estado

PS defende que PSD vai votar contra a generalidade dos portugueses

O porta-voz socialista João Galamba afirmou perceber que o ex-primeiro-ministro Passos Coelho esteja contra a proposta de Orçamento, porque representa o oposto da anterior política.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O porta-voz socialista João Galamba afirmou hoje perceber que o ex-primeiro-ministro Passos Coelho esteja contra a proposta de Orçamento, porque representa o oposto da anterior política, mas defendeu que o PSD votará contra a generalidade dos portugueses.

Estas posições foram transmitidas à agência Lusa pelo membro da direção do PS após o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, ter anunciado no encerramento das Jornadas Parlamentares do seu partido, em Braga, que os sociais-democratas vão votar contra a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2018.

João Galamba pegou no facto de Pedro Passos Coelho ter classificado a proposta de Orçamento para 2018 como uma agregação de interesses particulares que gravitam em torno das forças da esquerda parlamentar.

“Pedro Passos Coelho governou contra os portugueses e é natural que, agora, na oposição, reprove uma proposta de Orçamento do Estado que, pelo terceiro ano consecutivo, faz o contrário do que fez o executivo que Pedro Passos Coelho liderou. Quando fala em interesses particulares, Pedro Passos Coelho deve estar a referir-se ao aumento generalizado das condições de vida dos portugueses no próximo ano”, reagiu o porta-voz dos socialistas.

João Galamba disse depois que o presidente do PSD, no fundo, “está contra os contribuintes que em 2018 vão pagar menos IRS, está contra os pensionistas que vão ter aumentos acima da inflação no próximo ano e está contra as famílias com filhos que terão os abonos de família reforçados”.

“Portanto, Pedro Passos Coelho vota contra a generalidade dos portugueses. E só não vota contra o aumento do salário mínimo nacional em 2018, para 583 euros, porque essa não é matéria objeto de votação parlamentar”, declarou.

Na perspetiva do dirigente socialista, por todas estas razões, “percebe-se que Pedro Passos Coelho não goste desta proposta de Orçamento do Estado e vote contra ela”.

“Só que a questão é que os portugueses não percebem a posição do PSD. Pedro Passos Coelho falou também numa ausência de futuro, mas o futuro da política seguida pelo presidente do PSD era um futuro sem portugueses”, acusou também João Galamba.

Ainda em relação ao Orçamento do Estado para 2018, o porta-voz do PS observou que o PSD se prepara para votar contra “uma proposta que, pelo terceiro ano consecutivo, vai reduzir o défice, atingindo todas as metas orçamentais”.

“O PSD também vai votar contra uma proposta de Orçamento que reduz a dívida pública em 2018”, acrescentou o membro do Secretariado Nacional do PS.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Parece que acabou a festa do dinheiro

Manuel Villaverde Cabral

O orçamento para 2018 acabou por se transformar num regabofe demagógico de promessas impossíveis de cumprir. As reformas que o país necessitava ter feito ou foram desfeitas ou ficaram pelo caminho.

Comportamento

A esperança é o café da manhã

Laurinda Alves

O que nos faz agir e transcender em cada dia é a esperança de que alguma coisa se componha, de encontrar sentido para a vida, de evoluir, de perceber mais. E temos esperança pela certeza do inesperado

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site