Música

Xutos & Pontapés fecham em Lisboa a digressão de 2017

A banda Xutos & Pontapés atua esta noite no Coliseu de Lisboa. É o último espetáculo da digressão nacional de 2017.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os Xutos & Pontapés atuam este sábado no Coliseu de Lisboa, no encerramento da digressão nacional deste ano.

O alinhamento deverá contar com muitos dos temas mais conhecidos do grupo rock a par de alguns temas inéditos, que foram sendo divulgados ao longo do ano, nomeadamente “Alepo”, cuja letra foi composta com frases da menina síria Bana Alabed, e “Sementes do impossível” para um filme de Joaquim Leitão.

Ao longo deste ano, a banda de Tim e Zé Pedro atuou em localidades como Leiria, Vila Real, Ferreira do Alentejo, Almada e Elvas. Em junho estiveram em Toronto, no Canadá.

Os Xutos & Pontapés são uma das mais duradouras e acarinhadas bandas da música portuguesa.

Estrearam-se ao vivo a 13 de janeiro de 1979, nos Alunos de Apolo, em Lisboa, e são responsáveis por álbuns como “Cerco”, “Gritos Mudos”, “Dizer não de vez”, “Dados viciados” e, o mais recente, “Puro”, de 2014.

Dos Xutos & Pontapés fazem parte Tim, Zé Pedro, Kalú, João Cabeleira e Gui.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site