Seleção Nacional

Bernardo Silva diz que está obrigado a “trabalhar ainda mais”

À entrada para o primeiro treino da Seleção Nacional, Bernardo Silva disse que "os jogadores novos são uma motivação extra". Portugal vai cumprir jogos particulares com a Arábia Saudita e os EUA.

Bernardo Silva falhou o Euro2016 por lesão

JOSE SENA GOULAO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Bernardo Silva afirmou esta terça-feira que a chegada de novos jogadores à seleção portuguesa de futebol obriga as habituais escolhas de Fernando Santos a “trabalhar ainda mais” e garantiu que vai “dar o máximo” para estar no Mundial2018.

Depois da nossa qualificação, queremos preparar da melhor forma possível o Campeonato do Mundo. Sabemos que há muitos jogadores novos nesta seleção e isso é uma motivação extra para toda gente dar ainda mais e trabalhar ainda mais”, afirmou o médio do Manchester City em conferência de imprensa, minutos antes do primeiro treino de Portugal na Cidade do Futebol, em Oeiras.

Bernardo Silva mostrou-se satisfeito por ter sido um dos jogadores mais utilizados por Fernando Santos na fase de apuramento e assumiu o desejo de fazer parte da convocatória final para o próximo Mundial, que se vai realizar na Rússia.

“Desde que cheguei há três anos, tento trabalhar da melhor forma possível e dar o meu máximo. Felizmente, nesta qualificação pude ajudar. Estar na seleção é estar entre os melhores jogadores do país e isso um orgulho máximo”, confessou o jogador de 23 anos, que tem 19 jogos e dois golos marcados pela formação das ‘quinas’.

Bernardo acabou por falhar a fase final do Euro2016, em que Portugal se sagrou campeão europeu, devido a lesão, uma situação que marcou o jogador formado no Benfica.

“Não tenho receio. Pode acontecer a qualquer jogador. Espero que não volte a acontecer-me. De certa forma, esse episódio marcou-me, mas espero estar presente no Mundial e espero estar bem fisicamente”, disse.

O médio do Manchester City descartou Portugal da lista de favoritos à vitória na Rússia, mas garantiu que a seleção lusa “vai dar o melhor”.

Podemos chegar à Rússia e não ganhar, mas vamos fazer o máximo possível para o conseguir. Vão estar presentes muitas seleções com muita qualidade. Não somos os favoritos, mas vamos dar o nosso melhor”, reforçou.

Sobre os particulares com Arábia Saudita, sexta-feira em Viseu, e Estados Unidos, dia 14 de novembro em Leiria, Bernardo Silva considerou que são “dois jogos para ganhar” e que os jogadores estão a encará-los com a “máxima responsabilidade”.

“É importante defrontar seleções de outros continentes, que jogam de forma diferente. Sabemos também que com estes jogos estamos a ajudar aqueles que precisam e isso também é muito importante”, disse o médio, referindo-se ao caráter solidário dos dois jogos, com as receitas a reverterem para as vitimas dos fogos, que aconteceram em outubro.

Estes particulares serão os últimos jogos de Portugal, atual campeão europeu, no ano de 2017.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site