Legionela

Centro Hospitalar rejeita falta de investimentos como causa do surto

Administração do hospital contesta qualquer relação entre o surto de legionela e a capacidade de financiamento na unidade hospitalar. E recorda que manutenção está a cargo de empresa especializada.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A administração do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental rejeitou qualquer relação entre o surto de infeção com ‘legionela’ no hospital São Francisco Xavier, que causou dois mortos, e a capacidade de financiamento e investimentos existente na unidade.

“O Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental esclarece que mantém um contrato de concessão de exploração da unidade de cogeração para fornecimento de energia térmica ao hospital São Francisco Xavier com uma empresa especializada e certificada”, refere, num comunicado enviado à agência Lusa. A administração salienta que o contrato estabelece a “responsabilidade da empresa e as condições em que essa deve ser executada”.

“Incluiu toda a manutenção preventiva e corretiva, bem como quaisquer outros encargos que resultem necessários ao bom funcionamento dessa unidade”, refere, vincando que “não existe, pois, nenhuma relação entre a situação ocorrida e a capacidade de financiamento e investimentos no Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental EPE”.

O surto de infeção com a bactéria ‘legionela’ no hospital São Francisco Xavier provocou dois mortos, um homem de 77 anos e uma mulher de 70 anos, anunciou a Direção-Geral da Saúde. Em conferência de imprensa, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, adiantou que a mulher estava internada na unidade de cuidados intensivos do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e o homem nos cuidados intensivos de uma unidade de saúde privada.

O balanço das pessoas infetadas com a bactéria ‘legionela’ subiu para 29, encontrando-se 26 internados, três dos quais nos cuidados intensivos do Hospital São Francisco Xavier, onde foi detetada a infeção.

Graça Freitas disse que o Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge está a realizar análises, que vão demorar tempo a produzir resultados para detetar a origem do surto, admitindo a responsável que poderá estar nas torres de refrigeração ou no sistema de águas do hospital.

O ministro da Saúde deu duas semanas à Direção-Geral de Saúde e ao Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) para que “habilitem o governo com um relatório detalhado, que seja do conhecimento público”, para apurar a forma como as coisas correram.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site