Assédio Sexual

Harvey Weinstein mandou espiar mulheres que o acusavam de assédio

O produtor Harvey Weinstein contratou duas empresas, com antigos membros da Mossad, para investigar mulheres que o acusavam de assédio sexual. O advogado confirma, mas ele diz que é tudo "ficção".

Getty Images

O produtor Harvey Weinstein, acusado de assédio sexual por várias mulheres de Hollywood, contratou duas empresas de espionagem para espiar as atrizes que o acusavam e os jornalistas que investigavam o caso, revelou esta segunda-feira a revista The New Yorker. De acordo com a publicação, Weinstein contratou a Kroll — uma das maiores empresas de espionagem do mundo — e a Black Cube — gerida por antigos membros da Mossad e de outras empresas israelitas — para investigar as mulheres que o acusavam de assédio sexual. A ideia, escreve a revista, era “suprimir alegações de que tinha assediado sexualmente ou abusado de múltiplas mulheres”.

Segundo os documentos a que a publicação teve acesso e as sete fontes diretamente ligadas ao caso, a Black Cube usou duas agentes para se encontrarem com a atriz Rose McGowan, uma das que apresentou queixa contra Harvey Weinstein. Uma delas fez-se passar por uma defensora dos direitos das mulheres e gravou quatro encontros com a atriz. Depois, a mesma agente marcou encontros com uma jornalista dizendo que era uma mulher de quem Harvey Weinstein também tinha abusado: nos dois encontros que marcou com a jornalista, a espia conseguiu saber nomes de mais mulheres que estavam a falar com a comunicação social e os pormenores dos seus relatos.

Tudo terá acontecido no outono de 2016, depois do contrato celebrado com a Black Cube em julho daquele ano com o objetivo de impedir que os relatos das mulheres atacadas chegassem ao The New York Times e à The New Yorker. Desde então, as agências contratadas por Harvey Weinstein recolheram “informação de dezenas de indivíduos” e “compilaram perfis psicológicos focados nas suas histórias pessoas e sexuais”, afirma a revista. Tudo isto era controlado e gerido pelo próprio Harvey Weinstein, que depois pedia a alguns dos seus funcionários para recolherem nomes e fazerem chamadas “intimidantes” para as vítimas. David Boies, advogado do ator, também participou na investigação: foi um dos signatários dos contratos com a Black Cube enquanto também defendia o New York Times, um dos jornais que investigava os crimes de Harvey Weinstein. Contactado pelo The New Yorker, Boies confirma ter assinado o contrato com a empresa de espionagem, mas diz que todo o procedimento foi controlado pelo ator e que o facto de também representar o jornal não indica um conflito de interesses.

Em resposta ao artigo do The New Yorker, Boies admite que o envolvimento da empresa a que pertence com as agência de espionagem “foram um erro naquele tempo”: “Não devíamos ter contratado ou pago a investigadores que não selecionámos nem coordenámos. Naquela época parecia uma acomodação sensata para um cliente, mas não foi pensada e isso foi um erro meu”, comentou. Já Sallie Hofmeister, porta-voz de Harvey Weinstein, tem outra opinião: “É uma ficção sugerir que alguém foi alvo ou suprimido em qualquer altura”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Angola

João Lourenço e MPLA: estamos juntos?

José Pinto

Apesar do seu debilitado estado de saúde, José Eduardo dos Santos ainda é o Presidente do MPLA. As exonerações dos seus familiares diretos dificilmente mereceram a sua aquiescência.

Caso José Sócrates

Quid custodiet custodiam?

Luís Ribeiro

Agora que o puzzle está claro, quanto será reaberto o inquérito ao crime contra o Estado de Direito para conhecermos a cumplicidade dos que então eram os mais altos responsáveis da Justiça portuguesa?

Pobreza

Amar com obras e não com palavras

P. Miguel Almeida, sj

Há uma diferença entre culpa e responsabilidade. O facto de não termos culpa de haver fome e pobreza no mundo não nos isenta da responsabilidade, simplesmente porque somos todos irmãos em humanidade.

Panteão Nacional

O sacrossanto panteão de Santa Engrácia

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
112

Se a república é laica, porque se apropriou de uma antiga igreja católica para seu panteão nacional? O laicismo não é capaz de arranjar um espaço próprio, onde sepultar os seus próceres?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site