Emprego

Ministro do Trabalho satisfeito com redução do desemprego mas preocupado com precariedade

O ministro do Trabalho considerou que os números da evolução do emprego confirmam de a tendência positiva de diminuição do desemprego, mas salientou que a precariedade ainda é um problema.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro do Trabalho considerou que os números da evolução do emprego conhecidos esta quarta-feira confirmam de “forma muito intensa” a tendência positiva de diminuição do desemprego, mas salientou que a precariedade é “ainda um problema muito sério”.

Em Braga, à margem de uma aula aberta na Escola de Direito da Universidade do Minho, Vieira da Silva realçou que o “mais importante” nos números revelados quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística é que mostram que a diminuição do desemprego está a ser feita “com a criação líquida” de emprego.

O INE divulgou esta quarta-feira que a taxa de desemprego caiu para 8,5% no terceiro trimestre, que o número de desempregados de longa duração (à procura de emprego há 12 meses ou mais) diminuiu 1,9 pontos percentuais face ao trimestre anterior e 5,8 pontos em termos homólogos, e que a taxa de desemprego de jovens (15 a 24 anos) aumentou 1,5 pontos percentuais face ao trimestre anterior, mas caiu 1,9 pontos relativamente ao trimestre homólogo de 2016, para 24,2%.

“Hoje [quarta-feira] tivemos os dados do terceiro trimestre do INE, que confirmaram de forma muito intensa a tendência positiva da evolução do emprego e do desemprego, atingimos uma taxa de desemprego de 8,5%, ainda não há muito tínhamos de alguma forma celebrado baixar a taxa de 10%”, afirmou Vieira da Silva.

No entanto, segundo o ministro, “mais importante do que isso é que essa diminuição do desemprego está a ser feita com a criação líquida de emprego”.

“No último ano foram criados cerca de 240 mil postos de trabalho, o que quer dizer que há uma dinâmica muito forte no mercado de trabalho que tem vindo a diminuir o desemprego e a alimentar o crescimento da economia”, afirmou.

Apesar da confiança demonstrada, o ministro admitiu que há questões preocupantes.

“A precariedade é ainda um problema muito sério. O emprego com vínculos mais estáveis tem ainda um peso demasiado elevado em Portugal”, considerou o ministro.

Confrontado com o aumento do desemprego de jovens face ao trimestre anterior, o responsável pela pasta do Trabalho desvalorizou os números.

“O desemprego jovem tem sempre um ciclo anual, por comparação com o mesmo trimestre do ano passado há uma descida significativa. O desemprego jovem é muito influenciado pelo final de um ciclo escolar e temos toda a confiança que vai continuar a trajetória descendente”, explicou.

Segundo o INE, a população empregada aumentou 0,9% no terceiro trimestre face ao anterior, para 4,8 milhões de pessoas (mais 42,6 mil) e subiu 3% em termos homólogos (mais 141,5 mil), “prolongando a série de variações homólogas positivas observadas desde o quarto trimestre de 2013”.

O aumento da população empregada verificou-se sobretudo no setor dos serviços (mais 53,5 mil pessoas empregadas que no trimestre anterior e mais 130 mil em termos homólogos), com destaque para os setores do comércio, reparação de veículos automóveis e motociclos, transportes, alojamento e restauração.

Já a diminuição da população desempregada é explicada por decréscimos ocorridos sobretudo na indústria, construção, energia e água (menos 25,3 mil desempregados comparando com o trimestre anterior e menos 60,8 mil em termos homólogos).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O grande Gatsby

Miguel Alvim

O depoimento de Adolfo Mesquita Nunes, apesar da manchete mediática que inegavelmente teve, constituiu, sobretudo, uma proposta de promoção pessoal.

PSD

Sulistas, populistas e… que mais?

Helena Cristina Coelho

Por um lado, Rui Rio aparece de peito feito a condenar o abominável populismo, que rejeita — por outro, parece cair em tentações populistas, em que cede. O que esperar daqui?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site